Como comentar aqui:

Se você não tem conta no Google ou no Blogger, vá em "comentar como" e preencha seu nome, não precisa de URL (pode ficar em branco). Depois é só "postar comentário".
bjs

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

A very merry Christmas !!!


Determinado tipo de coisa devia ser unânime e pronto.
Eu adoro o Natal, vou ficando feliz à medida que ele se aproxima, sempre foi assim.
Não entendo que haja quem não veja graça em comprar presentinhos pras pessoas queridas imaginando a cara delas na hora de abrir, nem seja capaz de entrar no clima!!

Sou bem clichêzona em dezembro: vejo os filmes de sempre me emociono com as músicas e me acabo nas comprinhas. Minha família é mega animada e festeira.
Hoje, na Missa de natal, rezo por cada amigo, cada conhecido e cada ser vivente.
Mesmo que minha intenção em ser uma pessoa melhor não obtenha lá grande resultado, eu tento!
Tentemos pois!
beijos e Feliz Natal!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Apapu*


Hoje aquele trombadinha profissional de 12 anos foi preso pela nona vez, dirigindo um carro roubado.
Tudo bem que os pais sejam tão idiotas quanto os pais do Champinha, mas será possível que ser preso NOVE VEZES não quer dizer nada?????? Esse menino vai continuar solto???
Não sei se é caso de exorcismo, de porrada, de amor e atenção ou sei lá do que possa vir a ser, mas esse moleque tem que ser detido.

*Apapu é o que o Grê fala quando quer mandar alguém à puta que pariu (pq ele é um menino educado). Eu uso aqui quando vou postar algo rápido que está me pondo maluca de indignação!
bjsbjsbjs

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Somos quem podemos ser, sonhos que podemos ter...


Muita gente me perguntou oq eu achava do namoro da Mallu com o Marcelo Camelo. Depois veio a história da overdose do ex da Suzana Vieira.
Meu pai mora com uma menina de 25 anos.
Eu acho que é uma sacanagem com ela, que obviamente tá querendo afeto paterno e vai perder um tempão, não vai ter filhos tão cedo e vai invariavelmente ver essa relação ruir mais dia, menos dia.

A respeito da Mallu e do Marcelo, nunca fui expert em Los Hermanos, mas sempre achei os barbudos muito infantis, melosos e um saco em geral. Ela, por outro lado, é mais madura que a imensa maioria das meninas na idade dela, e na mídia está exposta a coisas muito piores do que aquelas que ele pode trazer pra vida dela. Ou seja, ele é só um mal a mais que a superexposição traz. Se fosse minha filha, eu acabava com essa brincadeira não agora, mas láááá atrás!

Suzana e Sid Vicious: eu acho assim: vc procura um monte de coisas na vida e numa relação; e oferece outras tantas. Se oq vc quer é uma barriga sarada e uma cabeça de ostra, certamente encontrará desde que seja isso que vc também tenha a oferecer. A gente se une aos nossos iguais. Se uma pessoa sensacional se relaciona com um babaca, alguma coisa está errada nessa jogada. Não há quem realmente cultue a maturidade e a inteligência que aguente andar com uma pessoa que viveu e aprendeu metade do que vc mesmo viu e absorveu.
Por isso as meninas se apaixonam pelos professores geniais; e exatamente por isso também é que os professores realmente geniais não se envolvem com alunas.
Bjs

Na foto, Atena a Deusa grega da sabedoria que sempre soube oq esperar dos outros!

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

I am he as you are he as you are me and we are all together.


Dezembro entrou e eu estou sem serviço, na maior tranquilidade. E não é que agora é que eu tô percebendo como ando cansada e estressada? Credo!
A Sophia tá trabalhando (eu ainda morro de orgulho dessa menina perfeita) e o Grê ainda tem uma semana de aula (ele enrola o ano todo e corre na recuperação...aiai).
Ontem passei o dia com minha mãe no hospital. Ela fez uma cirurgia pequena entrou de manhã e teve alta à noite.
Fiquei com ela batendo papo, dando sopinha e passando geléia na torrada.
Minha mãe tá velhinha, eu me assustei com a fragilidade dela. Quando eu era menina e morávamos todos juntos, ela era um inferno na minha vida. Nós somos muito diferentes...Mas eu mudei, ela mudou e ambas envelhecemos.
A figura materna é poderosa para o bem ou para o mal. Em ambos os casos, o tempo ameniza as coisas e aquela enorme bruxa ou fada, vira uma pessoa de carne e osso muito mais fácil de amar e entender.
(Na foto o Grê, minha mãe e meu sobrinho lindo Matheus)

Ouvindo Beirut, a banda do Zach Condon, que é perfeita e maravilhosa.



domingo, 30 de novembro de 2008

Move Move Move


Eu não sou capaz de imaginar o que possa significar perder alguém da família, casa e as referências pra fúria da natureza. Não se quantifica essa dor.
Mas se quantifica dinheiro.
Qualquer um de nós é capaz de mandar pelo menos R$10,00 (ou mais ou menos). Ninguém vai ficar mais duro, só mais feliz quando deitar a cabeça no travesseiro seco da cama segura.
Depositem:
Caixa Econômica Federal - agência 1877; operação 006; conta 80.000-8
Banco do Brasil - agência 3582-3; conta corrente 80.000-7
Besc - agência 068-0; conta corrente 80.000-0
Bradesco - agência 0348-4; conta corrente 160.000-1
Itaú - Agência 0289, conta corrente 69971-2

O nome da pessoa jurídica é Fundo Estadual da Defesa Civil e o CNPJ é 04.426.883/0001-57.

Bom domingo
bjs

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Liger rules




Deus faz umas coisas bacanas, mas o homem também tem lá seus talentos...
Quando conectei a internet aqui em casa, sei lá quando foi, passava o dia no google fuçando coisas pelas quais tinha curiosidade. Numa dessas sapeadas, fui ver algum animal híbrido, fruto de uma lenda urbana, que nem me lembro mais qual era; quando achei os Ligres (tradução de Liger).
Traduzindo pro leiguês (e pro que minha memória macarrônica é capaz de lembrar), na natureza, os grandes felinos produzem um hormônio restritor de crescimento que tem uma função óbvia. No Leão é a fêmea e no Tigre é o macho que produz o tal hormônio.
Daí quando vc cruza um Leão com uma Tigresa, nasce um bichano que chega a ter o dobro do tamanho dos pais (além de ser a coisa mais linda do mundo).
Cães são pra todos, gatos são para poucos.
Ligres são para mim!!!
Bom final de semana.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Ado ado ado


Uma detetive particular de São Paulo fez uma lista das atitudes mais comuns em homens e mulheres quando estão traindo.
Eu li e fiquei pensando: será possível que o homem se dá bem até quando é corno?
Francamente...

O homem quando trai...

1 Não abandona o celular por nada no mundo — nem para ir ao banheiro.

2 Muda drasticamente alguns gostos. Por exemplo, vai da música clássica ao sertanejo.

3 Vive no mundo da lua, fica disperso.

4 Inventa viagens de final de semana. Chega até a adorar pescaria!

5 Faz muita hora extra.

6 Vira metrossexual: começa a caprichar no visual, faz botox, entra na academia...

7 Começa a usar o perfume da mulher para disfarçar o da amante.

8 Compra cuecas novas.


A mulher quando trai...

1 Capricha nos chamegos com o marido.

2 Faz comida gostosa.

3 Fica mais atenta.

4 Se cuida, quer fazer lipo e pôr silicone.

5 Vai com mais freqüência ao cabeleireiro.

6 Aumenta o apetite sexual com o marido.

7 Procura tratamentos para os dentes.

8 Compra lingeries novas.



Ai a natureza humana...
bjs



Fonte: http://mdemulher.abril.uol.com.br/amor-sexo/reportagem/traicao/aprenda-descobrir-traicao-401599.shtml?page=1#

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

A vida não é sonho


Quem me conhece sabe o quanto eu ligo pra que está e ou não está na moda... mas o fato é que fiz uma pauta essa semana sobre a febre japonesa das hime gyarus.
São meninas que vivem, se vestem e se comportam como princesas, com cabelão, lacinhos, cílios postiços e tiaras.
A história está repleta de Brancas de Neve e Auroras que pouco fizeram pelo próprio destino, que não sofrer e suspirar; mas também temos a Jasmim e a Bela, que cultivavam sonhos de independência e conquista que extrapolavam os jardins dos palácios. A primeira desafiou o pai e a tradição numa sociedade hermética, para escolher o próprio companheiro e a segunda, lia e pensava por si só!
As meninas que fazem a linha princesa, hime gyarus, não trabalham - já que trabalhar cansa; e escolheram uma fragilidade ridícula que é garantia de doses cavalares de antidepressivos (ou coisa muito pior) no futuro.
Dependem de namorados como as bisavós dependiam dos maridos e plantam um destino acorrentado e servil. Pra um homem que acabou de chegar, pode ser até divertido carregar e prover aquela coisinha frágil e delicada que inspira tanta proteção, mas qualquer idiota sabe que isso, em médio prazo, cansa. Ou que quando chegar a hora de ele precisar de uma companheira de verdade e ouvir um monte de gemidos e "isso eu não sei" ou "eu não consiiigo" vê a roubada em que se meteu, e larga a mala no primeiro achados e perdidos.
Esse tipo de mulher chega aos quarenta sozinha, e assim permanece.
Ser princesa, também pode significar ser dona de uma delicadeza ímpar junto com uma inteligência que dispense a obrigatoriedade de príncipes e cavalos brancos. Uma menina tem que ser capaz de dar conta da própria vida, tem que saber fazer o que é preciso que se faça pra viver por conta própria, e chegar inteira no fim do percurso. Tem que ler o livro até o fim e agüentar a barra da vida sem maquiagem.
Todo mundo espera que sua filha não precise lançar mão desse tipo de força. Até eu, que não sou boba, não me importaria que a história da Sophia fosse só tranqüilidade e segurança. Mas não é assim que a vida funciona e é preciso muito cuidado antes de se criar ou tornar uma princesa inútil e meramente decorativa.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Back to black



(clique na imagem que ela aumenta e vc lê as legendas sensacionais)

De volta á posse do meu tempo.
Acabaram os tcc’s, dessa vez o inferno foram os projetos (e uns malucos de Marketing que acham que revisão é fazer o trabalho no lugar de quem tá pagando - eu até faço isso, mas por outro preço. Beeeeeeeem outro...).
Um livro especialmente interessante sobre uma favela do Rio chamada Tavares Bastos, onde não tem tráfico nem violência (mas tem o BOPE).
Entregamos o Pic na data, e segunda tem a bendita banca.
Gravamos o programa de telejornalismo (a Claudinha estraçalhou, eu quase me afoguei em tanta baba), uma e outra prova e pronto. Acabou o ano.
Agora começam as compras de natal.
Madame Sophia está resolvendo em que loja vai trabalhar, já que simplesmente todo o shopping quer seus encantos vendedores...(muito orgulho)
Meu pescoço melhorou, graças a muito descanso, bolsa de água quente e uma dieta balanceada à base de Strawberry Cheesecake...
Festa na sexta, no sábado e encontro de mosqueteiras no domingo.
Nem acredito que vou pegar a pilha de livros que comprei e ler um por um.
Enfim, voltei!!!

Tem muita gente genial nesse mundo, uma delas é um cara chamado Marcos Barbará que fez essa bobagem deliciosa que ilustra o post de hoje.

Ah, estamos (eu e a Sophia) viciadas num site onde vc pensa em alguém (minimamente famoso)e um gênio adivinha sempre!!!!
Tentem: http://en.akinator.com/

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Oh dor...


Dei um mal jeito no pescoço enquanto dormia.
Não, não faço idéia de como isso tenha sido possível.
O fato é que estou com uma dor infernal que simplesmente não passa.
Já fui ao médico, já tomei injeção,já coloquei um colar ortopédico idiota (uma semana com essa merda), já me entupi de remédios e na-da.
Não dá pra dormir, nem pra trabalhar, nem pra ficar sentada.
Sorte de quem está longe, estou num mau humor daqueles.
aiaiai

domingo, 9 de novembro de 2008

Deus


Quando eu era pequena, meu pai misturou açúcar com água e me disse que era assim que Deus fazia com a gente. Se misturava tanto que não dava pra ver, mas dava bem pra sentir o gosto.
Não faz diferença o nome que seu Deus tem, ou se a sua forma de estar com ele é caminhando, indo à missa, matando uma galinha ou acendendo uma vela.
Mas Ele está aí, ele sempre está.
Ninguém precisa fazer nada sozinho, nem achar que controla ou descontrola as coisas.
Deus a gente não entende, a gente acredita e acata.
A gente acha que sabe o que é melhor, mas não sabe não.
Acreditem: a melhor coisa do mundo é a percepção de que não cabe a você resolver tu-do sozinho.
Há coisas feitas por Deus, e outras pelo homem e é preciso saber a diferença.
Não dá pra viver grudado em dinheiro e aparência.
Assim que vc percebe isso e aprende a ver Deus nas pequenas coisas,e a confiar; vc tira um zilhão de toneladas de peso das costas.
Fé não se compra no shopping nem aumenta com mais base ou chapinha, nem fica mais bacana com perfume importado (nem com pilhas de livros).
Fé é o que importa, no final das contas.
Fé em Deus e em si mesmo (como extensão de Deus)
Deus não é o padre, nem a Igreja, nem o pastor ou o pai de santo.
Deus é Deus e vc pode ligar direto pra ele, sem ramal.
beijos



Esse vídeo é maravilhoso. Eu vejo e penso em Deus e em como todas as pessoas são iguais, todos os homens do mundo são iguais e dá sim pra ser feliz simplesmente (e choooooro de me acabar). Aliás qualquer coisa que eu escreva sobre ele será uma enorme bobagem. O vídeo é uma prova inconteste de que palavras são dispensáveis.





(beijo especial pra Margot -que eu gosto muito e vejo pouco- que me mandou este vídeo)

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Meu presidente dos Estados Unidos







Esse menino nasceu tão lindo, tão perfeito que eu colocava ele na cama e ficava olhaaaando. Tá, toda mãe acha isso do filho, mas o Gregório era (como dizia uma amiga da minha cunhada) uma covardia com os outros bebês. Redondinho, cor de rosa, loirinho e com duas bolinhas azul claras brilhantes, olhando o mundo.
Era de um bom humor e uma serenidade dignas de quem mora aqui em casa. Dormia bem, brincava feliz da vida e não dava a menor dor de cabeça.
A sensação que eu tinha era que toda a alegria da minha vida, estava num cofrinho de fraldas que andava pela casa colocando a gente de castigo e procurando pela Sophia.
Uma vez, com três anos, ele foi tomar uma injeção vestido de Hércules certo de que doeria menos. Assim que a agulha entrou, ele gritou chorando:-não adiantou naaaaada!
Ele fazia escola de esportes no clube e era o único que voltava pra casa cheio de terra. Um dia eu fui buscá-lo mais cedo e descobri o motivo. Ao invés de ficar na quadra com as outras crianças, ele ficava com o jardineiro, ajudando a plantar os canteiros de flores.
Ele cuida de todos os bichos estrupiados e sem dono. Traz todos (ou pelo menos tenta) pra casa, põe nome e faz caminha e dá comida.
Quando era pequeno, tinha medo de chuva, terremoto e maremoto. Vivia grudado no Discovery vendo documentários sobre desastres naturais.
Mês passado ele fez 14 anos. O tênis agora é 41. Ele tá maior que a Sophia, mas continua cuidando dos gatos, lendo Fernando Sabino e se preocupando comigo. Só que também cuida das namoradas e dos amigos, vê mais Simpsons que Padrinhos Mágicos, prefere o Paul ao John, lê livros enormes de batalhas e conhece todas as bandas novas.
Eu fico olhando esse menino perfeito, com saudades de quando ele era pequeno e ficava no meu colo no cinema. Quando parava de chorar assim que eu entrava no quarto, ou quando dormia no meu colo. Ao mesmo tempo, morro de orgulho do telefone que não para, dos finais de semana cheios de programas e amigos aqui em casa e do “Mãe??” que eu ouço assim que ele chega.
É maravilhoso ver os filhos crescendo, e é verdade que é a mesma sensação de andar numa montanha russa.
É um amor tão grande que quase dói.
Eu tenho tanta coisa na vida: o Caio, a Sophia e o Gregório.
Meu adolescente tímido e sensacional.
O que mais eu posso querer???

Gregório de Almeida Gomes Cassinelli.
Guardem bem esse nome, queridos Leitores!

"Lindo, e eu me sinto enfeitiçada..."
Rita Lee

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

My wedding day


Dia das bruxas de 1989.
Uma terça feira cinza e chuvosa como eu adoro. Lá estava eu de preto, plena e absoluta, no maior nervoso, pronta pra me enforcar na frente de TODOS os meus amigos.
Casar com o Caio foi uma das boas coisas que me aconteceram na vida. Pra ser sincera, essa foi a que desencadeou as demais.
Ele é fofo e eu sou chata.
Ele canta e eu resmungo.
Ele é atrapalhado e eu sou certinha.
Ele dança pela casa e eu dou risada.
Ele é um palhaço e eu sou completamente maluca por ele.

Hoje estou trabalhando feito louca, no stress de sempre... Daí ele chega e faz um teatrinho com bonequinhos desenhados nos dedos (com direito a um estrupiado no dedo que ele machucou no futebol) por trás da tela do meu lap top.
Pode???
Eu não posso com tanta fofuce.

Registrado em texto e foto.

Cookieliris, obrigada por me aturar tanto tempo e tão bravamente.
Eu te amo muito, e sou o resultado do seu amor por mim.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Be Ugly


Tenho trabalhado demais e não consigo dormir quando paro, daí frito na cama das quatro da manhã até a hora de ir pra faculdade, o que vem me garantindo uma quantidade suicida de faltas neste semestre.
Pego um projeto atrás do outro pq sou uma mercenária maluca incapaz de recusar trabalho, dormir eu durmo mais tarde.
Enfim, o que me salva de enlouquecer nessa insônias inadequadas é a madame Betty Soarez.
Ugly Betty é genial!
Tem toques de novelão mexicano, dramalhão latino, e muito humor americano dos bons. Os personagens são absolutamente fictícios e na mesma medida, de carne e osso.
As bichas são as melhores que já vi e a dobradinha Amanda & Mark (repcionista da Mode & assistente da sub-chefona malvada)é perfeita, sem falar no sobrinho dela que é hilário.
Fica meu palpite:
Tá cansado?
Tá com a cabeça cheia?
Vá ver Ugly Betty.
bjs

sábado, 18 de outubro de 2008

Alguém pode me explicar por favor????


1-Pq a polícia (que teve o criminoso na mira dos atiradores de elite várias vezes)decidiu preservar a vida dele, expondo as meninas por tanto tempo?

2-Pq que os profissionais treinados pra esse tipo de circunstância, que deveriam saber numa hora dessas qual vida vale mais, não souberam e não escolheram?

3-Como os pais da Eloá permitiram que uma menina de TREZE anos namorasse um rapaz de VINTE por DOIS ANOS????

4-Pq eu me sinto tão responsável, vulnerável e triste com essa história?

sexta-feira, 17 de outubro de 2008


Assim: Polícia Civil resolve fazer manifesto em frente ao Palácio dos Bandeirantes; onde nenhuma categoria pode fazer passeatas, marchas ou afins (mas ELES acham que podem).
A Polícia Militar é chamada pra garantir a ordem e acaba com a alegria dos policiais civis.
A grande argumentação dos reclamantes é que o governador teve TRÊS horas pra decidir se receberia a comissão deles ou não.
1- O argumento de que há mais de 10 anos eles não têm os salários reajustados é mentiroso.
2- Pq cargas d'água o governador é obrigado a receber uma comissão num prazo assim com o pé na porta?
3- Pq esse barulho todo aconteceu coincidentemente em meio ao naufrágio titânico da canditada do PT à prefeitura da cidade???
4- Alguém é capaz de imaginar o quanto os presidiários se divertiram com isso???

Eu sou (digo e repito pra quem quiser e não quiser ler) sou implicante e preconceituosa, mas tenho uma teoria sobre psicólogos e psiquiatras que corresponde ao mesmo raciocínio que tenho sobre as duas polícias.

Psiquiatra é um cara que fez medicina, depois se especializou e fez residência, o que lhe confere - pelo menos - 10 anos de estudo.
Psicólogo pode se formar tranquilamente em qualquer UNI e sair dando palpite na sua vida.
A quem vc indicaria sua mãe em depressão??? Ou filha/amiga/irmã com problemas de drogadição???

Pois é: Policial Militar faz Barro Branco e Polícia Civil faz direito na mesma Uni em que a namorada faz psicologia...

Prontofalei.
bjs

PS: Faltou eu dizer uma coisa: Polícia é para quem precisa.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Tem gente que não aprende


Que esquece uma merda que acabou de acontecer.
Que é ingênua e idiota.
Que conta com o equilíbrio do outro.
Que espera que o outro faça a sua parte quando chegar a hora.

Enfim tem gente que é muito, mas muuuuuuuito burra.
Como eu, por exemplo.

aiai


Em tempo: antes eu simplesmente não votava na Marta, nem achava que ela merecia minha confiança. Hoje, com a baixaria, a homofobia e a patrulha que ela tentou provocar com esses ataques baixos ao candidato adversário, da minha parte ela só angariou uma repulsa absoluta.
Mulherzinha de segunda categoria.
E ainda tá tendo a ousadia de dizer que desconhecia o conteúdo e a argumentação da campanha. Ou seja, alguém vai votar numa pessoa que não controla os cahorros do quintal da casa dela e quer controlar uma cidade do tamanho da nossa?
Ora, francamente...

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Cantemos juntos.


Essa semana, depois de muitas negociações, consegui uma entrevista exclusiva com o Ravel.
Pra quem não lembra, ele fazia dupla com o irmão Dom e foi execrado pela esquerda quando os militares usaram suas músicas como hinos do ufanismo da época do “Brasil, ame-o ou deixe-o”.
Ele está cego e paranóico. Tá bom que eu sou uma banana, mas fiquei muito impressionada com o tanto que ele está vulnerável e ainda com muito medo de sair de casa. Ele é de uma calma, de uma doçura...
Quando falei, no começo do mês, com o Zé Rodrix e o Paulo César Araújo (que é o autor da melhor publicação sobre música brega durante o regime militar e do livro proibido do Roberto Carlos) eles falaram muito dele, que foi tudo uma puta sacanagem que ele nunca foi colaborador dos militares. Pra mim foi uma surpresa, já tinha como certo que ele tinha colaborado sim, que era "de direita", que tinha feito “Eu te amo meu Brasil” apoiando o Golpe Militar, e fiquei louca de vontade de conversar com ele.
Ravel mora com a mulher numa casinha de bonecas estilo alemão, num terreno cheio de árvores e passarinhos, uma graça!
Conversamos por mais de três horas. Ele cantou, chorou e falou – entre outras coisas- que o irmão morreu de câncer de puro ressentimento, que eles tiveram a casa invadida, a família perseguida e foram espancados diversas vezes.
Pelos militares? Nananina pela esquerda. Pelos heróis da esquerda, que hoje pedem retratações milionárias ao governo.
Não vou entrar em detalhes da entrevista, que isso sai na revista ou acaba virando livro.
Mas é interessante a gente lembrar que TUDO tem dois lados, e que os dois lados erram...
A vida tem dessas coisas.

sábado, 4 de outubro de 2008

Here we go again!


Sabe quando você faz uma coisa achando que vai somar, que vai melhorar as coisas, que vai multiplicar tudo e daí percebe que não foi nada disso que aconteceu; que na hora do outro fazer a parte dele, ele estragou tudo???
Sabe quando você achava que a generosidade e vontade de compartilhar as coisas eram vias de duas mãos, e daí percebe que isso é só TEU jeito, que o outro só sabe viver pra si, enrolado no próprio umbigo e ainda tenta competir com você???
Pois é, isso é uma merda!
Estou aprendendo a cada dia, a me envolver menos e a deixar as coisas como estão.
Isso é uma merda, mas cada um sabe de si e que cuide da própria vida, faça as próprias escolhas e pague a conta depois!
Estou oficialmente fora!!


Sexta fui ver Mamma Mia.
Adorei.
A Meryl Streep está ótima.
O filme é meio caricato, meio cheio de estereótipos pra amizade entre mulheres e amores, mas é bem feito. A fotografia é de matar e as músicas são maravilhosas.
Quem não tem vontade de sair dançando com Dancing Queen, que atire a primeira pedra!

Vexame:
Hoje eu e o Caio jantamos um pote (grande) de Haagen-Dazs cada um.
Eu de strawberry cheesecake e ele de belgian chocolate, a semana toda na salada pra escorregar feio no sábado...hehe
A sorte é que as dietas, assim como as decepções com amigos, sempre podem recomeçar direito na segunda feira.
Mudo o cardápio ou mudo de amiga??

beijos


quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Mulherzinha imbecil.


Ser mulher é o máximo, eu vivo dizendo isso.
Mas tem hora que é uma merda.
Eu adoro fazer a linha fortona, fodona, machona etc etc etc.
Aí, saindo de casa hoje cedo, inexplicavelmente bato a frente do carro na árvore e choro feito uma madalena.
Consegui me segurar na faculdade (embora tenha reclamado disso a manhã inteira), mas cheguei em casa e desabei outra vez.
Estou chorando até agora, com o nariz vermelho e entupido tentando entender o que aconteceu e imaginando quanto essa “imperícia” (palavra do Caio) vai me custar.
Ai que ódio.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

Unificação o caralhoooo!




Só um Presidente de merda; um iletrado, ignorante e idiota feito o Lula pra assinar uma reforma inócua para o que se destinaria e perniciosa para quem trabalha com a língua portuguesa.
As mudanças são estúpidas e sem critério. Me fizeram lembrar a maneira como a quantia a ser deixada nas cadernetas de poupança na época do confiscollor foi determinada; que pra quem não sabe foi um sorteio digno de crianças no recreio.
A população mal conhece a língua, as escolas mal ensinam; e idiotas feito eu, que passam a vida tentando aperfeiçoar a escrita, estão fodidos.
Os portugueses estão cagando para o nosso português, essa unificação é ridícula. Qualquer um que tenha perdido cinco minutos conversando com nossos queridos parceiros de língua, sabe que eles acham que o que falamos aqui não é português. Já tive livros meus lançados lá, e teve muito lusitano torcendo o nariz pro português que se escreve no Brasil como se a língua fosse uma coisa estática e engessada.
Foda-se quem chegou primeiro.
A quantidade brasileiros é soberana e é ridículo ficar mexendo em moscas da gramática que só vão encher o cú das editoras de didáticos de dinheiro, e o de quem trabalha com gramática, de pimenta.
Puta que pariu, que ódio.
Será possível que não tinha nada mais importante pra ser mudado nesta merda de país???
Pronto, falei.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

This is Revolution!!!


Tá tá ta... a Madonna vem (meu ingresso já ta na mão) e o REM também.
Mas nenhum outro grupo me faz sentir o que eu sinto ouvindo The Cult.
Não sei se é pela força da época (começo dos anos 80, tava indo morar sozinha, o Satã bombava e eu era capaz de fazer tu-do que me desse na telha, sem culpas nem preocupações...ai a juventude).
Sempre fui capaz de me envolver com as coisas a ponto de manter minha integridade de julgamento e a possibilidade de cair fora quando bem entendesse. Isso foi o que me salvou de entrar em grandes frias no passado e no presente, e com toda certeza, me protegerá do futuro.
Eu vejo o Ian com aquele estilo pirata gótico cantando She sells sanctuary e me sinto tão forte, tão capaz de dar conta dessa vida e das seguintes... Tenho tanto orgulho de ser quem sou e de ter vivido o que eu vivi!
Não faço idéia do tipo de emoção ou memória auditiva que acende esse fogo em mim, mas é interessante pensar que a gente tem essas possibilidades quando as coisas estão mornas.
Música me catapulta de um extremo de humor a outro.
Sem escalas.
E isso é maravilhoso.

Procurar o que te move, o que te faz sentir bem.
O que te faz sentir assim?



Comigo é o Ian Astbury.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

No Pain No Game.


O Cazuza disse, e todas as gerações seguintes repetirão: O tempo não para.
Daí, quando você ficou pra trás, comeu bola e ficou devendo algum aprendizado, é hora de correr.
Sempre dá tempo da gente se atualizar, se aculturar e se preparar.
Correr atrás é uma arte, e só quem tem inteligência pra saber dos riscos e da dor de se sentir incompleto, é capaz de consertar um lapso, uma dormida no ponto.
Não faz a menor diferença o motivo que te fez ficar olhando a vida passar da janela, nem mais ninguém tem responsabilidade sobre isso.
O problema é todo teu.
Sempre dá tempo de estudar, aprender uma língua, fechar a boca, mexer a bunda, fazer regime, parar de fumar, pedir desculpas, arrumar as gavetas...
Enquanto tem vida, tem tempo.
Mas ele é rápido, e não espera.
Não adianta resmungar.
Move, move, move!!!


quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Eu sou, e sei que sou!




Estou impossível!
Aprendi (enfim) a postar vídeos aqui.
Eu, que fiz curso de datilografia e usava caneta tinteiro e mata borrão no ginásio, comemoro cada pequena vitória na luta contra a tecnologia, que insiste em não me obedecer.
Ontem fizemos um exercício de vídeo no laboratório da faculdade e na minha vez, eu quase arranquei o microfone da mão do coitadinho do Fernando, a quem coube a ingrata tarefa de me entrevistar. Essa mania de controlar tudo é uma doença atroz.
Faço um esforço enorme para não ficar tentando controlar tudo, mas não é mole.
A gente quer o bem dos outros e com essa desculpa esfarrapada, mete o bedelho em qualquer assunto, especialmente aqueles que não nos dizem respeito.
No meu caso, o preço da popularidade é a eterna vigilância...hehe

Por conta de umas coisas que eu vi ontem, passei a manhã pensando no que faz uma pessoa achar que é melhor ou que seu tempo vale mais que o dos outros...
Ou simplesmente esquecer que o outro existe e que tem mais o que fazer.
Todo mundo tem problemas, ninguém é obrigado a viver abrindo o jogo do avesso da sua vida pros outros. Mas isso não dá a quem se acha mais ocupado ou mais importante (ou os dois) o direito de ser injusto.
Eu sou agradecida a quem me ajuda e me salva a pele quando estou (por qualquer motivo, nobre ou não) com dificuldade de dar conta de algum serviço.
Não costumo jogar muito trabalho nas costas dos outros, pelo contrário, nas divisões de tarefas, sempre loto meu caminhão de areia.
Não sou nenhuma Madre de Calcutá sem defeitos, mas sei muito bem trabalhar em grupo, desde os dez anos quando armávamos as barracas na chuva em cinco minutos.

Sou implicante e impaciente, mas sou justa.
A César o que é de César.
Talento é bom, mas não resolve, é preciso querer, aprender e saber suar a camisa.




Melhor que os outros, só o Elvis.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

O amor e o Poder.


O aquecimento global.
O atentado do World Trade Center.
O tsumani na Indonésia.
A cefaléia feminina.
A alopecia dos homens.
A extinção da Ararinha azul.
O fiasco brasileiro em Beijing.
O sucesso das pesquisas com células tronco.
O fracasso na cura do câncer.
O rapto de crianças na China.
O uso indiscriminado dos cartões corporativos.

Tu-do culpa minha.
Tudinho.

Isso é simplificar demais, não acha?
Cada uma!!!!
bjs


Trilha do post: Como uma deusaaaaaa....

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Ai o amor...


Os livros trazem boas definições do amor, mas eu sempre me impressiono com aquelas que estão nas músicas (muito provavelmente em função da minha obsessiva facilidade em guardar uma letra na memória por décadas...).
O Chico César diz, numa dessas que eu vivo cantarolando, que pela amada, ela negaria o antes que foi.
Isso é tão bonito! Não que o antes não importe na construção da sua personalidade, mas pra um amor que está chegando, quem você é tem que bastar (junto com quem são as pessoas que você ama).
Enfim, eu vivo querendo juntar as pessoas e aumentar minha tribo.
È como se desse pra corrigir as pequenas distrações de Deus, deixando alguém sozinho por mais tempo do que eu (na minha mania maluca de controle e intromissão) acho suficiente.
Quando dá certo fico quase tão feliz quanto as vítimas...
È maravilhoso ver o amor iluminando uma menina querida e varrendo o convés empoeirado de um velejador experiente.
Não importam as implicações nem as adequações práticas necessárias pra fazer um amor funcionar.
Amores novos são mesmo mais interessantes, trazem tanta gente e tanta história que a vida renasce e se modifica.
O importante é não ter medo, nem ficar procurando rastros de infelicidades anteriores na pessoa que acabou de chegar. Ela vem como uma página em branco, não é justo imprimir nela experiências infelizes que tivemos, assim como deve ser feito com culpas e medos anteriores.
Dá sim pra recomeçar.
Dá sim pra ser feliz.
Tem uma peixinha nadando num aquário recém descoberto!


Somewhere beyond the sea
Somewhere waiting for me
My lover stands on golden sands
And watches the ships that go sailing...

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Bree Van de Camp para Vice!



Todo mundo se estapeando e as bilheterias do Credicard Hall va-zi-as. De lá, em quinze minutos,saíram meus queridos ingressos pro show da Madonna!!!

Nos EUA, nem Obama, nem Furação em New Orleans, mas a vice do McCain.
Sra Palin, manda chuva do Alasca (onde eu ainda vou morar), tem uma biografia digna de mudar pra Visteria Lane.

A mulher é contra o ensino de educação sexual nas escolas. Alguém poderia avisar essa gringa maluca que essas aulas também ensinam a prevenção da gravidez na adolescência,não tem infográfico do Kama Sutra! A filha dela, se tivesse prestado atenção, não estariia grávida aos 17 anos.
Mas isso não é pior. Há quem jure que o filho caçula da vice,é filho dessa mesma adolescente de nome Bristol (que faltou na escola, ano passado por coincidentes oito meses seguidos).

Daí os abacaxis são dois: um é que uma mulher com tanto esqueleto no armário,na primeira revista, é de enfraquecer qualquer candidatura. Outra é que o McCain e seu staff deviam ter escolhido melhor suas associações, isso faz a gente pensar nas escolhas desastrosas que ele poderá fazer no futuro, respingando em cada um de nós.

Todo mundo fala que se o Obama ganhar, ele não assume.
Eu me recuso a pensar que uma coisa dessas ainda possa acontecer.Ouvi uma conversa parecida quando as possibilidades do Lula subir a rampa começaram a se desenhar no cenário político nacional.

Eu tenho medo do McCain e da saga Bush way of life.

beijos

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Desafinados


Acabei de voltar do cinema.
Nunca consigo 100% de satisfação na sala de cinema. Ou as cadeiras são apertadas e duras (e fecham na bolsa da gente), ou a pipoca não tem manteiga e não tem suco de laranja.
Em casa é tradição jantar no cinema. Meu cardápio é pipoca, suco de laranja e um saquinho de MM's. Pipoca sem manteiga não dá... (nem as frescuras excessivas do cinema do Cidade Jardim me convenceram. Imagine pipoca com azeite trufado, que coisa mais gay).
Enfim, hoje foi dia de ver Desafinados do Walter Lima Jr. Filminho morno.
Eu acho um saco essa leveza obrigatória da Bossa Nova, sempre as mesmas músicas, a mesma conversa intelecto cócus...ai credo. Acho o João Gilberto muito chato, já fui vê-lo cantar e achei um tédio.
A fotografia é maravilhosa, mas o som é de foder. Numa determinada cena em que a Claudia Abreu toma banho de banheira, o som da água é tão alto que dá nervoso... Numa das últimas cenas, o Santoro arfa num volume tal, que eu lembrei da Giovana Antonelli em "O Clone" onde ela só fazia arfar e a gente se divertia vendo.
Enfim, o filme se arrasta um pouco e é mega previsível.
Não é obrigatório nem de longe. Fiquem em casa e leiam Isabel Allende (comecei hoje a biografia nova dela) (sim ela tem outras anteriores, essa é a mais recente!!!).


Antes de acabar, e mudando de pato para ganso, deixo registrado um desabafo furioso:
ALGUÉM SABE ME EXPLICAR PORQUE NOS EMAILS MAIS IDIOTAS DO MUNDO, QUE TENTAM TE CONVENCER A CONTINUAR ALGUMA CORRENTE, OU COMER ALGUM NOVO GRÃO MILAGROSO E EMAGRECEDOR,VÊM ESCRITO "APARECEU NO FANTÁSTICO" COMO PROVA DE CREDIBILIDADE??? DESDE QUANDO AQUELA MERDA DE PROGRAMA É MEDIDA DE CONFIANÇA???

Pronto, falei!
Boa noite.

sábado, 30 de agosto de 2008

Quero ser Rosana Hermann


Tô fazendo um freela gigante de pesquisa de mercado sobre teens. Uma das coisas que eles descobriram na pesquisa é que se os adolescentes não fizessem sobreposição de tarefas, o dia deles teria mais de 36 horas...
É o que eu penso todo o santo dia lendo o Blog da Rosana (queridoleitor.zip.net), como ela consegue meu Deus?? A mulher posta -pelo menos- seis vezes por dia no Blog, tem um programa diário na Tv Bandeirantes, escreve freelas, cuida dos filhos, do marido, passeia com o cachorro, faz tricô, fala com meio mundo e ainda tem a suprema ousadia de fazer pilates e comer direito. Fora as transmissões diretas via celular (streaming) e mais um monte de coisas que ela inventa de fazer pelo caminho... Ano passado (ou no anterior) ela deu uma palestra pra minha turma de jornalismo na UNIP, e não deu pra nada. O assunto não acaba.
E ela escreve bem pra caralho, dá até raiva...hehe
Algumas vezes eu penso se o marido dela não fica meio de saco cheio de tanta internet, ou será que ela consegue ficar dez dias na praia sem internet nenhuma e com o celular desligado.
Mas nas outras vezes todas, eu fico pensando que queria tanto ser assim eficiente e multi tarefas. Os textos dela são sempre bons, e os posts SEMPPRE pertinentes, sejam pra reclamar da faxineira que não veio, ou pra espinafrar algum babaca que usurpou um texto dela ( e não são poucos).
Aiai, já sei quem eu quero ser quando crescer...

Acabei de ler o livro novo do Contardo Caligaris. Uma merda. Um texto mega pretensioso, uma história super mal amarrada e cheia de megalomania e erudição ensaiadinha.

Eu quero ser a Rosana Hermann e ele, o Dan Brown.
Sou muito mais esperta! haha

sábado, 23 de agosto de 2008

Onde? Onde? Onde???


O tempo fechou.
Um sábado frio e nublado, daqueles que me deixam na maior felicidade.
Aqui da minha cama, olho pela janela e agradeço cada grau que desce do veranico ridículo que o efeito estufa andou aprontando por aqui.
O Caio foi jogar bola, o Grê foi fazer o vestibulinho do Objetivo, a Tica tá dormindo e eu deveria estar trabalhando...
Ano que vem, o Gregório entra no colegial e essa escola onde eles estão é pouco pra genialidade completa dele. Estamos num embate ininterrupto. O Caio quer colocar o menino no Dante, ou no Mackenzie (onde ele estudou), eu quero o Rio Branco ou o Cil (onde eu estudei), o Gregório, por sua vez, quer sossego, futebol , rock'n roll e video game...
Acho uma merda estudar muito longe de casa, que complica a vida social que é uma coisa...
Mas o Cil (que é perto) tem o bendito alemão, que o Grê pegaria avançado, além de só ter ensino médio vespertino e ele quer estudar de manhã...
O Dante é muuuito longe, o Mack e o Rio Branco são fora de mão, e o Objetivo não está nem aí pros alunos...
Essa noite sonhei que ele estava no VIP (como se fosse minimamente possível um filho meu naquela granja classe C), pra ver o índice de preocupação que me assola neste momento.
Ainda tenho tempo pra pensar nisso...

A Bienal tava o máximo, voltamos lotados de livros.
Estou lendo "O conto do amor" do Contardo Caligaris e estou achando bem medíocre e wanna be. Vamos ver se melhora.

Na tv, só House.

Vamos trabalhar????
bjs

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

A melhor fatia da vida!




Os atletas que me perdoem, mas pensar sim é puro exercício.

Nada melhor pro espírito que uma série de literatura seguida de algumas biografias e umas sessões de mitologia...

Hoje recebi dois livros: Fadas no Divã, da Artmed e A Deusa Interior, da Cultrix.

O primeiro é a Bíblia da Psicanálise dos Contos de Fada, com o português mais irretocável que se possa imaginar. Dá prazer de ver a nossa língua portuguesa assim tão bem tratada...

As considerações são maravilhosas e passam longe (muito longe) das interpretações óbvias desse tipo de pauta.

O segundo é um dos livros que mais me impressionou na vida, e eu perdi...

Emprestei pra alguma alma sem tempero que não me devolveu (e ele estava todo criptografado, cheio de associações e familiaridades minhas). Fala da influência das Deusas Gregas na construção do feminino, e é de enlouquecer...

Ai que saudades de escolher meus temas de leitura e estudo (esse ano tá fogo...).


O Caio trouxe ontem um livro pro Gregório chamado Diário de um banana. As memórias de Greg Heffley, da Vergara & Riba. O Grê leu de uma sentada, e o Caio tá lendo agora e chorando de rir aqui do meu lado. A melhor coisa do mundo é ver o Caio rindo... Ele diz que fica lendo e imaginando meus amigos do Cil como personagens, eu preciso falar pro Flávio comprar esse livro.


Esse semestre tem PIC de novo. A classe tinha escolhido Tv como tema, mas o professor (que é um fofo genial) achou o teminha muito pão com ovo e mudou pra Ditadura (que eu tinha sugerido...hehehe). Não fiz lobby, mas não precisou.

Adorei!!!


Vou namorar meu maridinho combalido e recém capado (coitadinho)

Ah, esse final de semana tem Mercado Mundo Mix no Memorial, já que Bienal de final de semana não dá pra encarar...

bjs

terça-feira, 5 de agosto de 2008

Beijing beijing, pau pau!


Once upon a time... nos idos tempos em que fui editora da revista da BM&F, fui pro Rio entrevistar o Paulo Ferraz (que é um economista mega fodão, presidente do Banco Bozano, Simonsen). Depois que a entrevista acabou e nós cumprimos o currículum daquelas perguntas de dezesseis linhas que os economistas encomendaram, ficamos batendo papo. Eu reclamava da demora em se resolver algumas questões no Brasil, e ele dizia que democracia é assim mesmo, que torna os processos lentos, que é preço. Daí passamos a analisar os reis e depois os ditadores latinos e chegamos à conclusão de que por aqui a gente não deu sorte. Nunca tivemos governantes beeem bacanas; a história se repete, um cara que cuida muito de si e na medida do possível, do resto do país...
Podemos não avançar em grande velocidade, mas nos livramos da ditadura. Vá lá que até hoje há os “desaparecidos” e muitas indenizações a pagar, mas boa parte do que acontece no país vêm à tona. Nas forças armadas as coisas engatinham, mal soltaram o tal sargento gay depois de quase dois meses de cana duríssima... Mas no exército, bem como nas instituições policiais, o regime é ditatorial por princípio, e quem entra que pague o preço...
Estamos a poucos dias dos jogos olímpicos, estrategicamente localizados na China!!!!
Nos preparativos para sediar a festança, o governo tratou logo de desalojar um monte de camponeses e fazer uma rápida faxina étnica...
Fala sério, um evento que gera diversos milhões de dólares em receitas é um presente pra autoridades governamentais que atropelam os direitos humanos como quem passeia na areia da praia.
São corruptos, são mascarados e herméticos.
Como se nesse mundo globalizado ainda houvesse lugar pra gente de cultura hermética e impermeável. E ainda ficam regulando transmissões e censurando a cobertura do evento.
Olimpíadas e esporte.
Alguém pode PELOAMORDEDEUS me explicar como isso foi parar na China???????

segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Valeriana, Valium e Vitaminas


Engraçado que é a segunda vez que eu posto uma foto deles com a prole, sem, necessariamente, falar diretamente sobre eles.
Tava aqui pensando em sonhos, filhos e projeções.
Ai como é difícil a gente viver nossa vidinha, sem projetar zilhões de expectativas ou temores sobre as costas dos filhos...
Aparece um príncipe encantado na vida da sua filha e você se pega pensando “que saco, pq ele não apareceu daqui a uns anos” ou “será que daqui a uma semana ela não vai estar de saco cheio?” ou ainda “ será que esse cretino vai fazer minha filhinha princesa perfeita de 17 anos sofrer???”...
Então você começa a ver que a vida chegou pra ela, não aquela coisinha protegida e controlada da infância; mas a vida real, a roda da fortuna. E começa a puxar se já falou sobre isso ou sobre aquilo... tem tanta coisa ainda pra ser dita.Sobre amar, sobre ser mulher, sobre ser feliz... ai ai ai.
Não, minha mãe não foi muito útil nessa área da minha vida (nem na maioria das outras, pra ser sincera), mas Deus colocou mulheres fortes no lugar dela e eu tive lições valiosas ditas com carinho e colo.
Hoje volto a trabalhar, semana que vem volto pra faculdade e a Sophia terá de cuidar da vida dela com o instrumental que arrecadou até então. Só espero ter feito um serviço bom e espero ainda estar por perto por muito tempo.
bjs

quarta-feira, 30 de julho de 2008

While my eyes...



Um dia, em Campos, saímos os seis no meu carro (nada mais sem graça que casais em carros separados, ainda mais em se tratando de gente superanimadinha como meu pai e a namorada, minha irmã e o namorado, eu e o Caio).
Fomos tomar um chocolate no Lenz (recomendadérrimo, o lugar tá cada vez mais bacana) e no caminho, passamos em frente a essa loja da primeira foto , que ostentava alegremente a placa com dizeres “Flores e Pinto”. Assim que li comentei a primeira coisa que me veio à cabeça:
-Gente, essa loja vende tudo que uma mulher pode desejar!
Foi bem engraçado (mesmo estando claro para cada um de nós, que mulher gosta mesmo é de dinheiro).

Mal rodamos 100 metros e uma loja de moda íntima, exibia, por sua vez, o slogam “Seu íntimo em evidência”. Francamente...
Nosso prefeito deveria liberar esse tipo de placa genial aqui em São Paulo...
beijos

segunda-feira, 28 de julho de 2008

A hard day's night


A vista do meu chalé é maravilhosa. Sempre é.

A vista do meu quarto em São Paulo, também é bem bacana.

Árvores comportam sonhos e fantasias; a sensação de ver através de suas folhas é maravilhosa e inspiradora...
Este ano quase não tivemos frio, foi uma moleza sair do restaurante, todas as noites, com um mísero casaco.
Meu pai veio com a namorada e a Lilian trouxe o Edson.

A Sophia e o Gregório também estão acompanhados.

Ontem o Grê passou por nós de mãos dadas com a namorada, dividindo o fone de ouvido, e eu achei a coisa mais linda do mundo.

Somos cinco casais de passarinhos, esse inverno tá com cara de setembro!
Ontem passei no Baden pra dar um beijo na Adriana (nunca dá tempo de conversar direito com ela, o que é um saco completo) que trouxe o mestre cervejeiro deles pra apresentar pro meu pai, que ficou todo feliz...

Voltamos pro aniversário da comadre Yara. Depois do jantar, viemos todos pro chalé e ficamos encocorocados, os seis (as crianças voltam beeem mais tarde) na sala com cobertores e travesseiros, uma delícia deitar entre meu pai e a Lilian.
A Cibele está se recuperando mega bem, e a sensação que eu tenho é que está tudo em seu devido lugar.
Amanhã volto pra casa, minha empregada nova debandou e vai ser uma trabalheira, mas eu to com saudades de casa, das meninas e dos gatos (mostly da gatita).
Hoje tem show e eu já panfletei horrores.
Tirei umas fotos engraçadas de duas lojas da cidade, depois eu posto.
Beijos.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Amanhã tem show!!


Essas férias estão uma agitação.

Cheguei de Botucatú, entreguei o mestrado, peguei uns freelas e mais freelas e mais freelas...

Tô trabalhando pra caralho num mês que eu sempre usei pra ler e dormir. O mercado tá fervendo, e eu estou feliz da vida.

A grande verdade é a seguinte: vc pode ser o fodão, o sabidão e o melhor trabalhador do mundo. Mas se não tiver contatos, baby, vai morrer de fome.

A cidade está seca. Até aqui, que costuma ser mais úmido, as plantas estão resmungando.

A Ticiane Pinheiro perdeu o bebê aos cinco meses de gravidez. Coitadinha. Perder um filho na bariga deve ser horrível, ainda mais quando todo mundo sabe e fica com aquela cara de pena...credo.


Estou aqui estrategiando (não, não existe esse tempo de verbo, nem o verbo, eu acabei de inventar) como vai ser meu embate com a balança. Estou gorda e enferrujada (que, pra ser sincera, é o que mais me incomoda). Até agora os planos são hiodroginástica, umas caminhadas leves com as garotas e vigilantes do peso.

Chego de Campos dia 27 e dia 28 pretendo estar na piscina aos pulos.

A Cibele (minha irmã que acabou de operar o estômago) está em franca recuperação, mas implorou pra eu arrumar outra saída, que ela não indica essa doidera pra ninguém. Ela está tão fraquinha, tão cansada... nem consegue colocar a bendita meia elástica sozinha , e com a minha mãe (que mais parece um passarinho) pra ajudar, vira uma piada...


Decidi postar assuntinhos bobos, que me recuso a comentar a baixaria do Daniel Dantas e do Opportunity. Só digo que já fui editora da revista da BM&F, conheço aqueles caras do mercado financeiro e sei que a sujeira é muuuito maior do que parece. Sei também que muita gente vai aparecer pra colocar pano quente nessa história, e não só gente do governo atual; principalmente do anterior.


Amanhã é noite de estréia da nova temporada da Cia Filarmônica no Bar Avenida e eu estou cheia de releases e convites pra mandar. Adooooro trabalhar com eles.

Conheci o show no ano 2.000 e de palpite em palpite, cá estamos nós. O Gregório tinha sete anos e entrava no palco soprando bolinhas de sabão durante Yellow Submarine, era uma graça.

Aiai... ainda bem que na vida, a gente tem sempre com que se distrair, né?


bjsbjsbjsbjs

quarta-feira, 9 de julho de 2008

Espelho, espelho meu...


Neste exato momento, enquanto eu batuco o LapTop na cama, e o Gregório assiste Padrinhos Mágicos, minha irmã mais nova passa por uma gastroplastia.
São mais de três horas de cirurgia e eu estou sem dormir desde as seis, com zillhões de minhocas na cabeça, morrendo de preocupação e medo de dar alguma coisa errada.
Ai, essa coisa de ser gordo é um saco, um caralho, o fim da picada.
Eu sempre fui gostosa, uma delícia pra ser sincera e manter a modéstia de sempre. Tinha a oscilação de três ou quatro quilos de sempre em casos de brigas com namorados ou qualquer crise que desencadeasse a comilança.
Quando engravidei da Sophia engordei quase quarenta quilos, emagreci a duras penas e na gravidez do Gregório lá se foram as calças jeans e vieram mais trinta e cinco quilos.
Um ano depois, tava bem magrinha. Minha irmã mais velha descobriu um cara no Pacaembú (Dr Renato Lerner) que cobra uma fortuna por um tratamento de dois meses, onde vc vai lá diariamente pra ser espetada, eletrocutada e injetada e ainda toma uma coisa horrível que eu sempre associei a desodorante fora a fórmula que te deixa com ganas psicopatas, mas emagrece a olhos vistos.
Uma vez, na sala de espera, dei de cara com a Thereza Collor e arrumei uma confusão com ela, que fazia propaganda de uma sopinha milagrosa pra emagrecer na TV, mas fazia o tratamento na mesma clínica que eu, que ódio!
Me olho no espelho e fico procurando a beleza que tive, inconformada de ter deixado as coisas irem tão longe (minha bunda, minha barriga etc...). O caos é tamanho, que eu nem sei mais se o intelecto já existia ou veio pra compensar a banha.
O fato é que não há remédio, nem reeducação alimentar, nem ginástica, nem porra nenhuma que resolva. Há os atenuantes, paliativos e atos desesperados.
Se vc não foi programada pra viver de cenoura e salsão, vai engordar. Há uma indústria Matrix que te enfia toda a junkie food , os doces e as delícias; além do o conforto da modernidade que te possibilita fazer tudo do sofá de casa (ou da cama).
Há lipos, plásticas, anfetaminas, chenical, academia, bulimia e anorexia.
Na minha modesta (e gorducha) opinião, não há muito que fazer, que não embaralhar as cartas e dar de novo.
Bjs gorduchos.

sábado, 5 de julho de 2008

Pra vida ser justa


Minha lista particular, tendenciosa e egoísta do que eu julgo que falta no mundo pra vida ser justa:

-as pessoas deveriam sempre falar tudo oq estão sentindo

-os cachorros deveriam viver mais tempo

-os gatos deveriam burlar o instinto (e o chumbinho)

-as crianças deveriam ficar crescendo e encolhendo dos seis meses aos três anos, indo e vindo (num moto-contínuo)sem crescer

-pensar deveria queimar calorias

-todo mundo deveria ser obrigado (e subsidiado se fosse o caso) a viajar e conhecer o mundo

-os jovens estaraim terminantemente proibidos de serem caretas, cagões e preconceituosos

-preguiça seria um atenuante de respeito pra qualquer ocasião pentelha

-as casas deveriam ter mais jardins e menos cimento

-as escolas deveriam en-si-nar

-os pais deveriam e-du-car

-os velhinhos deveriam ser paparicados e postos pra conversar com os jovens

-as pessoas deveriam poder morar com quem amam e não com quem dividem traços de DNA

-todas as meninas deveriam ter sido bandeirantes

-tv só devia existir depois das 19:00

-São Paulo deveria estar sempre como estava na noite da Virada Cultural

-comida gostosa deveria rejuvenescer, não engordar

-a gente podia simplesmente desaparecer quando morresse, pra nenhum querido ter que ficar velando ou enterrando ou tomando aquelas providências práticas insuportáveis dessas horas.

-fé seria chique e todo mundo teria muita (tolerância também)

-insônia seria remunerada em dinheiro, na manhã seguinte

-dinheiro deveria ser banal

-aparência deveria ser banal

-inteligência deveria ser ítem de série (pra todos)
-todo o ser humano deveria saber nadar


Contribua com a lista, coloque sua reivindicação aqui!

bjs

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Como alguém que lhe apagasse a luz, vedasse a porta e abrisse o gás.




Final de semana cheio!
Sábado fomos ao Cultura Artística ver Toc Toc, texto de um francês (Laurent Baffie) sobre o encontro de seis pacientes com Transtorno Obsessivo Compulsivo, na sala de estar de um psiquiatra. O ingresso foi super caro (oitentinha por cabeça – tá, eu e o Caio pagamos meia, mas minha irmã e o namorado morreram com R$160, pra ver a peça) e nem foi lá essas coisas. Uma comédia mediana (pra não dizer medíocre) onde o que divertia eram os arroubos do cara que tinha síndrome de Tourette e a moça que repetia absolutamente tudo (ou seja, o divertido era o chavão e o ululante). Eu vivo me incomodando com o público de comédia no teatro. É a raça mais sem critério que existe; os idiotas já saem de casa tão predispostos a rir de qualquer coisa que mal o ator aparece e eles morrem de rir (e eu, que sou a chata implicante cricri, de ódio).
O jantar no Gigetto depois do teatro foi muito mais divertido.

Maaaaaaaaaas no domingo fomos ver Gota d'água no Sesc Vila Mariana – ai como aquele Sesc é lindo.
A montagem é tão bonita, o elenco é tão cheio de talento que eu já tava contentérrima em faturar os últimos quatro ingressos de cortesia disputados à tapa na bilheteria com ingressos esgotados há semanas. Sempre a Claudinha pra me proporcionar essas boquinhas maravilhosas -ai essa menina não existe.

A peça seguia bem até aparecer Joana (personagem da Izabella Bicalho- que fez a Narizinho no final dos anos 70 na Globo). Essa mulher pequena, quando resolveu cantar “meu bem querer” acabou com qualquer esperança minha de sair de lá sem estar com a cara toda borrada e olhos inchados de tanto chorar. Eu desabei completamente com tanto talento dramático. Eu vou bastante ao teatro, já vi muita coisa, mas esse arrebatamento foi a primeira vez que me aconteceu. No intervalo, quando as luzes acenderam, pelo menos me consolei vendo que não fui a única. Puta que pariu. Tem gente nesse mundo que nasceu pra interpretar.

Recomendo a peça, que há de voltar pra São Paulo, com toda a força dos meus palpites certeiros.

bjs congelados e felizes da vida!