Como comentar aqui:

Se você não tem conta no Google ou no Blogger, vá em "comentar como" e preencha seu nome, não precisa de URL (pode ficar em branco). Depois é só "postar comentário".
bjs

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Vou morrer sem entender



A vida é curta, na verdade o certo seria a gente dizer que a vida é um estado, um estar.
Hoje estou aqui, de cabelo lavado, batucando meu laptop, amanhã posso ter um AVC daqueles bons, posso ser atropelada, levar um tiro, infartar, qualquer coisa...
Por isso, por essa consciência da duração da vida, eu faço sempre o melhor que posso pras pessoas, uso e abuso do meu melhor sorriso, abraço, beijo e uso as palavras pra ajudar a melhorar o dia das pessoas.
Eu sou de carne e osso, me estresso, me enfureço e perco a paciência; mas nunca deixei que isso me descrevesse, que fosse constante ou contumaz em mim.
Ninguém nunca vai se referir a mim como "aquela grossa desagradável".
Deus me colocou aqui pra fazer o que tenho que fazer pra sobreviver, pagar minhas contas e produzir. E eu faço tudo da melhor maneira que posso, faço na hora, faço bem feito e trato todo mundo com respeito e educação.
Isso não é mérito nenhum, isso deveria ser corriqueiro.
Desejar o bem, parar para ouvir o que o outro tem pra dizer (mesmo que não tenha nada a ver com você), ser delicada e ir dormir sabendo que eu trouxe alguma alegria e contentamento pras pessoas com as quais convivi. Do vendedor de DVD à faxineira, ou o Presidente da ALESP. eu procuro ser leve e não pesar no dia de ninguém. E se der pra ajudar a melhorar as coisas, eu tento.
O que me mata é ver gente que faz questão de esquecer a brevidade da vida e a importância das pessoas sobre as coisas. Gente que gosta de azedar o dia dos outros, de tratar sem consideração e respeito nenhum o outro. De simplesmente não se interessar pelo outro. De se conformar em viver nervoso, insatisfeito e infeliz. Não conseguir ver beleza em coisas simples, não gostar de bichos, de plantas, de crianças...
Graças a Deus, eu sou feliz e de bem com a vida que eu conquistei. Gosto das pessoas e me contento com as coisas que me são oferecidas ou que eu vou conquistando. Não acho nada tão importante que valha eu acabar com o dia de alguém que pode estar precisando de tudo, menos de uma patada.
Eu tenho certeza de que Deus não colocou ninguém no mundo pra viver desse jeito.
Deve ser muito duro viver assim, procurando culpados, estando sempre certo e determinando a (pouca) "importância" dos outros.
Eu tenho muita, mas muita pena de quem escolheu viver dessa maneira.
É muito triste.


Agora, tem uma coisa: infelicidade não é sarampo! Não passa.
Cuidado com isso. 
Boa noite gente!

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ai o aborto...

.

Me pediram pra escrever sobre esse assunto; e eu bem que vim aqui pra isso mas é tão difícil.
Esse argumento de que a mulher pode abortar por ser dona do próprio corpo é uma idiotice, já que o bebê tem corpo próprio e ela está lidando com a vida de OUTRA pessoa.
Mas a mulher tem o direito de não querer ser mãe, aí é diferente.
Ou por que a hora não é certa, ou seja lá por qual motivo. A vida e as pessoas têm tantos motivos, quem somos nós pra ficar julgando e listando?
Eu acho mais fácil ter e se encontar na família (que chia de cara, mas acaba se apaixonando pelo bebê, que é oq acontece em 99,9% dos casos, e acaba dando uma mão com a história toda).
Tirar é que são elas, arcar com a culpa, com a decisão, e ir parar sozinha, ou com uma amiga numa clínica daquelas de gelar a espinha e correr o risco de milhões de intercorrências médicas...
Tudo que eu consigo pensar sobre o assunto é que a gente tem que lotar a orelha dessa meninada pra elas se prevenirem e nunca terem de passar por isso.
Não sei oq eu faria se acontecesse com a Sophia, não sei mesmo.
Não sei o que acharia melhor ou pior, mas na verdade me caberia apoiar a decisão DELA e olhe lá.
Difícil isso, viu?


Obs: Nem consideeio a questão da gravidez fruto de um estupro ou de um bebê anencéfalo, que aí nem tem o que discutir.

domingo, 11 de setembro de 2011


Minha mãe me mandou um email, perguntando o que eu achei de um artigo do Giron na Época, que falava sobre a substituição do livro físico pelos eReaders e eBooks.
Achei por bem publicar minha resposta aqui:

"Mãe, primeiro que eu conheço o Giron, e ele é um machista cara de pau...hehe
Imagina que mulher não consome cultura como os homens, mas nem vou entrar nesse âmbito.
É normal que o mercado se adapte, que diminua mesmo (estou falando especificamente dos livros). Mas é como aconteceu com o cinema, quando veio a tv, lembra que todo mundo dizia que o cinema iria acabar?
É a mesma coisa em relação ao jornal impresso e à Internet, tem público consumidor pra ambos. Eu não acredito que um substitua o outro.
Por exemplo, a música -até em função da portabilidade- vc baixa  300 músicas pela internet e ouve num dispositivo que cabe na palma da tua mão, perdeu mesmo espaço pra pirataria, isso dava pra ver que seria inevitável.
Mas e os livros?
Quem troca o cheiro de um livro novo? A capa, o peso... Você vai levar um tablet pra praia pra ler ao por do sol? Não vai, podem te assaltar e levar a porra do tablet! Vc vai ler no ônibus? No metrô?Não vai, pelos mesmos motivos.
Vai fazer anotações preciosas no rodapé do tablet e depois emprestar pra um amigo e conversar sobre elas? Não vai!
Vai ficar passeando e tomando café na livraria escolhendo um e-book? Não vai.
Pra mim, como pra  tudo, sempre tem alguém que gosta. Pra trabalhar ele é ótimo, mas não existe na minha cabeça um termo de comparação entre o prazer de folhear um livro com as páginas amareladas, que sua mãe roubou da sua avó e você roubou dela (Teu amor e as estrelas, lembra?*) e ver um texto naquele fundo branco frio e impessoal de um tablet.
No way!
bjs e amores"   

*Esse livro é um romance super água com açúcar maravilhoso que minha mãe pegou da  minha avó e depois fez que ela colocasse uma dedicatória, muuuitos anos depois eu fiz a mesma coisa e no livro tem a dedicatória da minha avó pra minha mãe e da minha mãe pra mim!

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Todo mundo sofre.

É inevitável.
Ou por falta de amor, ou de grana, ou por uma perda, ou por medo, ou por dor.
Sofrer tá no contrato, não tem jeito.
Mas a gente precisa saber sofrer.
Saber a hora de pedir e dar apoio.
Saber a hora de calar e de falar.
A hora de apoiar e de chacoalhar.
É preciso deixar as crianças sofrerem, quando tiverem motivo pra isso, ou elas nunca entenderão como a vida funciona.
Eu fico pensando na minha avó perfeita que-em qualquer fase da minha vida- me abraçava e dizia que tudo iria melhorar. Eu sinto tanta falta de ela me dizer isso que chega a doer.
Mesmo sabendo que as coisas melhoram, ou mudam, se configuram de outra maneira e a gente se habitua.
Essa é a grande verdade da vida: a gente se habitua!

Boa semana gente!




sexta-feira, 17 de junho de 2011

Meu bebê perfeito.




Em 2006, voltei pra faculdade.
Passei um semestre implicando com uma menina pequeninha e metida da minha classe; e os outros sete  completamente apaixonada por essa mesma menina.
Não me lembro da Claudinha me chamar pelo nome, ela só me chama de mamãe, e ela assistia aula sentada no meu colo (quando não ficava mordendo meu ombro, de pura maluquice).
Ela guardava meu lugar todos os dias e todas as canetas cor de rosa que eu achava nas papelarias, comprava pra ela. O único exame que eu fiz no curso foi quando a madame esqueceu de fazer nosso trabalho... ( a gente revezava, estava na vez dela e ela esqueceu!) Eu fiquei maluca, mas depois esqueci.
Ela tem um pijama de vaquinhas aqui em casa e todos nós somos malucos por ela.
Ela é querida, inteligente, e cabe comigo e com a Sophia na cama como ninguém pra um soninho da tarde...
Uma vez, no meu aniversário, ela acordou a Sophia as cinco da manhã e elas fizeram um bolo cheio de corações pra mim. Eu acordei as sete pra ir pra faculdade e encontrei a mesa de café da manhã mais linda do mundo e as duas de pijama e farinha no cabelo, mortas de sono...
Ela chama o Caio de papai e já reservou o Grê pra eles casarem (e ele gostou da ideia...).
Ela é super inteligente e uma puuuta iluminadora de teatro.
Numa dessas montagens de luz, dia 3 desse mês, minha menina caiu de uma escada de cinco metros. De cabeça.
Foram cinco dias de UTI e uma semana de hospital.
Ela está viva. Os médicos disseram que a gente tem que dar graças a Deus por isso, e a gente dá.
Mas ela, que já era pequena, encolheu e voltou a ser uma menininha que ainda não aprendeu a ler e nem pode ficar sozinha nesse mundo selvagem.
Já fiquei muito triste, já chorei e já fiquei aqui brava com Deus e com a vida.
Mas isso não vai resolver o problema da Claudinha. Então eu resolvi outra coisa: além de rezar pra ela se recuperar e voltar a ser capaz de tudo; vou fazer o que ela estiver precisando. Vou na casa dela contar histórias, dar beijos, ensinar as coisas e dar umas broncas quando precisar.
O amor de verdade é aquele em que a gente não faz o que quer, mas o que o outro precisa.
E é isso que eu vou fazer.

beijos, gente

domingo, 29 de maio de 2011

Vidão

É muito legal a gente saber que o esforço deu certo, e que a tal inteligência que passou a vida ouvindo que tinha, rendeu (enfim) frutos concretos!
Quem diria que eu, a essa altura, teria um emprego caretinha num lugar caretézimo e estaria me divertindo MUITO??? Trabalhando feito louca, correndo pra todo lado, mas feliz feliz feliz...
Não é sempre que a vida vai bem, mas quando vai a gente TEM que agradecer.
Esse post é só pra agradecer.
Agradecer a torcida dos amigos, a Deus e a minha enorme imensa e intensa sorte.
Obrigada!!!!!
Se a tua vida ainda não está perfeita, calma que ela melhora.
Boa semana, gente!

By the way: acabei o livro da Patti Smith, que é bárbaro e super recomendado e comecei o do Lobão.
Se eu tivesse juízo, estaria estudando as incidências e legislação do Bullying, que vai ser a primeira Frente Parlamentar que eu vou organizar em audiência pública; mas eu não tenho!! haha

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Meus moinhos.







Eu sou daquelas que reclama, que reivindica. Ensinei isso pros meus filhos e pra minha mãe (tenho o maior orgulho de ela ter virado uma consumidora mais exigente).
Tem tanta coisa que a gente pensa em fazer, em melhorar, em mudar e não encontra tempo nem disposição e deixa pra lá achando que nem é tão importante, né?
Mas é tudo importante sim e a gente tem que fazer a nossa parte.
Eu acho sim que a gente muda o mundo com pequenos pensamentos, com gentileza, com vontade... (sou pisciana, romântica e jornalista...)
Enfim... eu não consumo nada da Bayer desde que descobri que foram eles que desenvolveram os venenos pras câmaras de gás dos campos nazistas. Venenos feitos sob encomenda pra matar gente com maiot eficácia!
Tô numa batalha danada com a Tetrapack por conta das novas embalagens de leite e suco, são mais quadradinhas e têm uma tampinha. Essas embalagem geram um puta desperdício. As de leite, quando terminam, eu corto e dou pras gatinhas o que sobrou na caixa e dá quase 1/3 de copo. Multipliquem isso por todos os consumidores...
Ontem foi a vez da Arezzo, que lançou uma linha com pele de coelho e raposa. Foram horas reclamando no twitter e no face.
Hoje eles mandaram um email se explicando e avisando que tiraram a coleção das prateleiras.
Bela merda.
Vão fazer oque agora? Mandar rezar missas pros animais mortos por essa demanda imbecil?
Determinado tipo de estrago, não tem conserto.
Esse foi demais pra mim...
Junto com a Bayer, Arezzo entrou pra lista dos NUNCA MAIS.
A gente tem que ter princípios nesse mundo, ou estamos aqui por nada...
beijos, gente!   

quarta-feira, 13 de abril de 2011

MTB para iniciantes

Li em uns blogs como era difícil, como era complicado e um pé no saco tirar o MTB.
Não tem nada disso, gente...
O problema é que o povo esquece que existem as delegacias regionais do trabalho, então não é preciso que todo o mundo vá na Martins Fontes que é a central e vive lotada.
Eu fiz o pedido do meu MTB hoje e levei DEZ MINUTOS pra fazer tudo!
Se vc já tem o diploma (que não é o meu caso, mesmo tendo me formado em 2009), vá até a sua universidade e peça seu histórico.
Daí vc junta o histórico, aquele certificado que a gente recebe quando cola grau, a carteira profissional, PIS, RG, CPF e um comprovante de residência. Tira uma cópia de tudo isso e leva junto com os originais na delegacia regional mais próxima da tua casa.
Lá vc deixa as cópias de tudo e a atendente abre um protocolo de MTB que fica pronto em 30 dias. Mas o protocolo já te garante a comprovação de que vc É jornalista!
Pra quem não apresentou o diploma, esse MTB que sai no mês seguinte, é provisório e dura um ano. Nesse meio tempo, vc vai atrás do diploma e assim que ele chegar vc leva o dito cujo na mesma delegacia do trabalho e eles fazem com que o MTB, que era provisório, seja permanente.
Foi moleza, gente!
beijão



Cidade de São Paulo

Gerência Regional do Trabalho e Emprego na ZONA NORTE

Gerente: Carlos Alberto Angelini
Substituto: Francisco A. T. Ichihara
Endereço: Av. General Ataliba Leonel, 2764 - Parada Inglesa
Cep: 02242-000
Telefone: (011) 2973-8927 / 2979-6296
Fax: (011) 2973-2867

Gerência Regional do Trabalho e Emprego na ZONA SUL

Gerente: Marcos dos Santos Marinho
Substituto: Carlos Kuba
Endereço:Rua Carneiro da Cunha, 354 - Saúde - São Paulo/SP
Cep: 04144-000
Telefones: (011) 5589-1295/ 5589-1296
Seguro Desemprego (011) 5589-1326
Fax : (011) 5589-1316

Gerência Regional do Trabalho e Emprego na ZONA LESTE

Gerente: Hiroshi Kimura
Substituto: Cláudio da Silva
Endereço: Rua Padre Estevão Pernet, 615/619 - Vila Azevedo
Cep: 03315-000
PABX: (011) 2294-5839
Fax : (011) 2093-4998
Seguro Desemprego: (011) 2227-2008
Fax: (011) 2093-4622

Gerência Regional do Trabalho e Emprego na ZONA OESTE

Gerente: José Kalicki
Substituto: Vladir Arienzo
Endereço: Rua Afonso Sardinha, 201 - Lapa
Cep: 05076-000
Telefones: (011) 3831-4228 / 3836-9209 / 3832-6699 / 6764
Fax: (011) 3835-9504

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Um doido, dois doidos, três doidos assim...


Eu me sinto escrevendo sempre sobre a mesma coisa, é impressionante.
Hoje um maluco entrou numa escola no Rio e matou um monte de crianças (com o requinte de tiros no rosto e no torax).
Todo o mundo tá passado, inclusive eu.
Agora vamos lá: tem algum maluco descontrolado na sua família? Você toma alguma providência sobre isso ou  trata essa pessoa como se fosse quase normal???
Esse tipo de pessoa é que faz merda, em alguma medida, em alguma hora.
Não tô dizendo que sua irmã maluca vai matar os vizinhos, mas que a gente TEM que procurar ajuda quando vê alguém que tem um comportamento ou uma atitude fora do padrão de normalidade. Não tô falando de gente diferente, mas de gente cujo comportamento preocupa.
Eu e você sabemos como são essas pessoas.
Vamos olhar pros nossos filhos, irmãos e amigos e pra nós mesmos com olhos menos egoístas e  ajudar a fazer um mundo melhor???  
Vamos largar de preconceito e ignorância e procurar ajuda pra quem está precisando?
Essa foi foda.
beijos, gente

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Almost too old for this sheet...








Acabei de voltar do show.
O Gregório é mega fã dessa banda desde pequeno, no quarto dele tem um adesivo enooorme com o logo deles, ele tem umas cinco camisetas diferentes, sabe todas as músicas e se acabou de chorar ano retrasado, quando o baterista morreu.
Pra mim não tinha nada de mais, deixei por conta do Caio ir com ele ver o show do Avenged no SWU.
Bom, chegamos e a fila de gente do lado de fora do Credicard Hall era imensa, uma meninada sem fim (nunca achei que eles fizessem tanto sucesso).
Fomos direto pro balcão de imprensa, pegamos as credenciais e fomos escoltados diretamente pra pista premiun. Muito engraçado ver a meninada se amassando e se espremendo na grade pra ficar muito, mas muito atrás da gente...(essa história de dar os melhores lugares pra quem vai de graça é tão descabida...)
O show atrasou, e quando começou eu combinei um lugar pra gente se encontrar e lá se foi o Grê pra um metro de distância da banda.
Foi um puta show, os caras são simpáticos, competentes e o rock é bem bom.
A uma certa altura, uma menina veio correndo me contar que tinha achado uma palheta no chão (ela queria contar pra alguém que não fosse roubar a palheta dela, tadinha...), depois tirei fotos pra um monte de gente, conversei, dancei, cantei e quando me peguei pensando na carne que eu tinha que descongelar pro almoço de amanhã, percebi que não tenho mais muito pique pra esse tipo de coisa...  
O Grê desapareceu num mar de camisetas pretas e eu não esquentei muito a cabeça pq a gente já tinha marcado um bat local de encontro.
De repente abre um clarão na pista, bem do meu lado e um monte de garotos começam a se jogar uns contra os outros, dançando  feito uns doidos (lembrei do Satã, não tinha como não lembrar); e quem tava no meio??? Quem era o mais maluco o mais atacado? O Grê!!
Quase tive um enfarte, mas me comportei e me resignei a passar um copo de água pra ele bem discretamente quando a muvuca acabou. E o mais engraçado é que eles ficam se trombando e quando acaba, se abraçam como velhos amigos e conferem se estão todos bem...
Não tenho mais idade pra essas coisas, na próxima ele vai sozinho...
Boa semana, gente!

domingo, 27 de março de 2011

Hope hope hope

Esse ano tá começando, enfim!!!
Semana passada, depois de muita espera, reza e choradeiras, consegui minha gatinha vermelha. Eu já tinha quatro gatos, muito amados e mimados, mas queria tanto um bebê vermelhinho; que quando chegou essa coisica minúscula e assustada eu quase tive um treco de tanta felicidade.
O trabalho tá vindo e as coisas vão acontecer. Eu perco a paciência, resmungo, azedo e reclamo, mas não perco a fé. Duvido que Deus não vá ajudar uma criatura atrapalhada, bem intencionada e esforçada como eu. E Ele ajuda. Não necessariamente na hora que eu acho ideal, mas na hora certa.
Isso é uma coisa na qual eu tava pensando, no tanto que a gente dá murro em ponta de faca, por achar que sabe a melhor hora das coisas acontecerem...
Eu aprendi a suportar a vida e a esperar. Na verdade isso é um conselho que a Erica Jong dá em "Medo de Voar". E é um conselho valioso.
A vida é boa pra quem é bom e sabe fazer sua parte e dar valor ao que tem.
Se você vive de migalhas, reclamando da vida e do que recebe, com toda a certeza do mundo, não está fazendo sua parte como deveria.
Amanhã é uma segundona como tantas outras, mas eu vou fazer meu melhor, e ela há de corresponder!!!!
Boa semana, gente!
  

Na foto, a Suri!!!

segunda-feira, 7 de março de 2011

Meu amigo Flávio!!!!


Já falei de tanta gente que eu gosto aqui, mas tava faltando ele!
O Flávio eu conheci no Cil (onde fiz o primário e o Ginásio) e a gente sempre gostou de conversar. Daí na oitava série fomos pro Rio Grande do Sul e ficamos mais amigos.
O tempo passou e a gente se perdeu, maaaas a bendita internet (o orkut) nos possibilitou juntar a turma de 1979 e nós começamos a nos encontrar. Num desses encontros ele aparece com a Denise (minúscula criatura com a qual ele contraiu matrimônio...hehe).
De lá pra cá foi só alegria, a gente se reaproximou e descobriu mais e mais e mais afinidades.
Os filhos deles (Gui e Felipe) são muito queridos e a Denise é genial, bem humorada e uma fofa (inha) .
Até o Trovão (cachorro deles) tem histórias pra contar.
O Caio virou amigo de infância do Flávio (tá que o Caio é um janelinha...hehe), a Sophia é doida pelo Felipe e o Grê é amigo do Guilherme!
Não falta assunto, não falta nada!
Ele é daquelas pessoas que você gosta e pronto.
Ele é sossegado, solidário, leal e impossível de tão querido.
Ele diz que é estressado, azedo e mal humorado, mas comigo são só amores (acho que um pouco de linha de bad boy que ele faz!haha)
Nem sempre a família de onde a gente veio vale o amor que a gente tem pra dar; mas aí Deus manda esses amigos impossíveis de viver sem e a gente deita e rola.
Eu tenho MUITA sorte mesmo.
(principalmente no sete e meio, né Flávio??)

beijos gente (na foto ele e o Felipe com as camisetas dos Angry Birds que eu dei pra eles).

terça-feira, 1 de março de 2011

Sabe aquelas fases que vc sabe que não vai esquecer??



Ando num desânimo atroz.
Sonada, mal humorada e irritada.
Faço aniversário semana que vem e meu bendito inferno astral é sempre uma beleeeeza.
Tenho tido uns pesadelos estúpidos com gente em que nem devia mais pensar e sem trabalho pra me distrair.
Meu ano, normalmente, começa depois do carnaval (ou do meu aniversário, oq vier antes) e este ano, os dois caem no mesmo dia...Pode isso Arnaldo?
Maaaas, tenho curtido as tardes aqui com as crianças (tá tá tá, mas pra mim SÃO crianças).
A globo tá reprisando uma novela que a Sophia ama "O Clone" e que tem uns personagens bem divertidos. Depois da novela, a record passa "Todo mundo odeia Chris" (assim, traduzido! Eu, que detesto programas dublados, admito que está muito bom em português e as narrações em off ficaram perfeitas), que o Gregório adora.
Daí que eu fico com eles e vejo os dois.
Meus filhos estão crescendo, a Sophia está procurando emprego e o Grê já tá no segundo colegial, daqui a pouco sai pra cuidar da vida. Não tem nada que me dê mais alegria que a companhia dos dois. São meus bebês e sempre serão.
Quando eu estiver velhinha e eles estiverem na casa deles, vivendo com as famílias deles, vou lembrar dos desenhos, das farras e dos colinhos de quando eram pequenos e de agora que a gente (por um motivo ou por outro) tá ficando junto a tarde inteira!
A vida da gente nem sempre está como a gente gosta, ou como a gente sonha. Mas sempre tem uma coisa boa.
 E tem tanta coisa melhor que mágoa pra gente guardar no coração, né??
beijos gente!
  

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

All things must pass...

Tudo na vida é uma questão de como você reage, e como usa seu tempo.
Rede social é um problema pq vc fica curioso e se acostuma  a fuçar a vida dos outros, independente do grau de intimidade e da intenção.
Daí que vc acaba abandonando hábitos muito mais saudáveis e proveitosos e abandona aquela que seria uma egolatria indicada a quem sabe a importância que tem.
O Face e o Twitter, principalmente, que são instrumentos de exibição de idéias viraram uma vitrine de baixarias, provocações e burrice. O mural do face de algumas pessoas é um show de aplicativos imbecis e todo o tipo de frase de efeito.
Daí que vou dar um tempo.
Vou ler mais, pensar mais, tentar cuidar da saúde mais e digitar menos.
Me recuso a perder mais um minuto do meu tempo lendo qualquer coisa oriunda da maldita inclusão digital. Não dá pra desperdiçar o tempo dessa maneira.
Minha reação será essa, me afastar.
Hoje postei que se pudesse ficaria a vida toda aqui com meus gatos e meus livros. Não posso fazer isso, mas posso me recolher um pouco mais e cuidar da minha família, da minha vida e da minha casa com mais tranquilidade.
Se você não quer ter acesso a esse tipo de existência inferior, não deixem que esse tipo de gente tenha acesso à sua vida.
O melhor meio da gente se poupar é lembrar que a esfera pública é pra quem precisa dela.
Eu, tô fora!
beijão, gente


O título da postagem de hoje é uma canção do George Harrison, que faria aniversário hoje.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Buonamicis



Eu estudei com a Yara, que é a mais velha. A Ivânia é mais nova, mas depois de adultas ficamos amigas.
Essas duas são uma coisa na minha vida.
A Yara é a outra esposa do Caio, a gente divide o marido (e olha que mesmo assim a gente reclama dele... hehe) e eu sou madrinha honorária da filha dela (que é uma delícia de menina).
A Ivânia é a mais engraçada do mundo. Ela é esquentadinha e não dá moleza nem deixa nada barato. Ela é ó-ti-ma.
A mãe delas é a Memé (minha alma gêmea de beleza natural). Isso por que quando a gente passa uma semana em Campos em julho todos os anos, as duas madames ficam quinhentas horas se arrumando pra jogar baralho... Eu só não desço de pijama pro restaurante pq durmo de moletom, ou seja: eu desço de pijama, mas só elas sabem...hehe. A Memé é minha parceira de buraco, ninguém ganha da gente, somos impossíveis.
O pai delas era daqueles que não existem mais, o pai dos sonhos de qualquer um. Quando ele morreu, eu tive a honra de escrever um textinho num santinho que a Yara fez pra ser entregue na Igreja.
A família toda é uma graça, são generosos, amorosos, corretos e queridos.
Mas essas duas são MUITO divertidas e esse post é pra contar a história de hoje.
Todos os finais de semana de sol, passamos o dia na piscina conversando, nadando e tostando até de noite.
Hoje, o tempo começou a fechar por volta das quatro da tarde e descemos pro restaurante pra almoçar.
Depois do almoço, na hora de pagar a conta, a Ivânia começa a procurar as coisas dela e se apavora por que as coisas dela tinham desaparecido.
Ela está de óculos escuro e chapéu, andando de um lado pro outro querendo achar onde estavam os cartões, os documentos e a chave do carro. Eu estava sentada ainda, olhei bem em volta depois olhei pra ela e disse:
- Não está tudo dentro do seu chapéu?
Ela tirou o chapéu e foi uma chuva de cartões de crédito, chaves...Foi a coisa mais engraçada que eu vi em muito tempo. A cara que ela fez foi a melhor e a gente não conseguia parar de rir. A Sophia e o Caio viraram do avesso!
Essas são minhas amigas queridas, da vida toda.

Na foto, as duas madames com a Sophia aqui em casa no jantar de aniversário da Ivânia (a da direita)!!!!
beijos gente

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Totalmente impossível ser feliz nesse calor



Não consegui sair das férias direito...
Os projetos de pesquisa deram uma pipocada, a editora tá sossegada e eu tô esperando chegar março pra ver o que vou fazer da vida este ano.
Tô preparando um viral pra jogar na internet sobre uma puuuta sacanagem que foi feita pra liberar a candidatura de um cara que tava com a ficha mais suja que a caixa de areia dos meus gatos.
Tenho uma dificuldade enorme em engatar qualquer coisa nesse calor. Minha pressão é baixa, fica ainda mais baixa e eu só tenho vontade de dormir...  
Em outra época estaria me martirizando e me obrigando a fazer tudo direito, mas não vou fazer isso comigo.
Eu sou filha de Deus e mereço ficar minhocando enquanto quiser e puder. Se aparece trabalho eu trabalho, mas se não aparece...hehe
A gente tem que se permitir ditar o ritmo, não é sempre que dá e não é sempre que a gente pode.
Tô aproveitando!


Agora, não dá pra não comentar essa nova papagaiada da doente da ex do Edmundo, que agrediu o filho em casa e depois na delegacia e disse que o menino ( de 16 anos, a mesma idade do Grê) é gay e usa drogas!
Ahhh, então  agredir filho gay pode?
O Amarildo, que trabalhou comigo na campanha (e é um cara mega genial) sempre diz que Deus não erra e eu concordo com ele na maioria das vezes, mas não dá pra concordar quando a gente vê qualquer babaca filha da puta e egoísta procriando...
E o menino ainda escreveu no twitter dele a seguinte frase lapidar: "Ser filho de EX modelo, com EX jogador de futebol é uma merda. Não tentem isso em casa..."

Coitado...

beijos gente.