Como comentar aqui:

Se você não tem conta no Google ou no Blogger, vá em "comentar como" e preencha seu nome, não precisa de URL (pode ficar em branco). Depois é só "postar comentário".
bjs

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

As últimas nuvens azuis no céu da alameda principal.



Passei di-re-to.

Eu resolvi, há algum tempo, que me ma-to se ficar de exame de alguma coisa. Faço questão de terminar o curso sem ter feito um único exame (que é moleza o negócio ali, todo mundo sabe). Isso é o mínimo de esforço naquele mar de boquinhas...
Depois das notas que eu vi os livros reportagem receberem, tava pra lá de desanimada. Pelo amor de Deus, qualquer livro meia boca tira dez? E o povo vê aquele mar de dez e acha que é mérito do trabalho, e não generosidade do professor que sabe que não formou a turma como poderia ou deveria, sei lá...
Eu vou ter que tirar QUINZE com mérito, ou já vou fazendo um trabalhinho bem medíocre sobre qualquer coisa (uma única visão, sem aprofundamento) e pronto. Mas to feliz da vida e não vou pensar nisso agora.


Estou num bom humor insuportável. Tirei um dez redondo bem na matéria da Marcia Detoni (teorias do jornalismo) que é notória por sua pouca generosidade nas notas... ali não tem moleza, ela deixa de exame por uma merreca. De estatística eu também me livrei, graças á prova com consulta e ás consultas à Claudinha que veio dormir aqui um dia antes da prova pra gente estudar.
Terminei meu trabalho do Cratod (foi um parto pra poder entregar os quatro últimos DVD’s transcritos, mas acabou a novela).


E ontem foi noite de confissão comunitária na Igreja. Lá fomos os quatro. Eu acho engraçado o tanto que o povo se espanta com a minha carolice. Quando eu conto que vou à missa todo o domingo, ajudo na Igreja e sou amiga dos padres, o povo se espanta... Deve ser porque eu gosto de caveiras e falo palavrão, mas isso não tem nenhuma ligação com o fato de eu acreditar MUITO em Deus (que é um fofo completo e vive me facilitando a vida) e achar mais negócio investir no aumento da fé que no saldo bancário.
Enfim, eu fazendo minha lista interminável de pecados (pra não esquecer nada, não vou entrar o ano com esse peso extra... já chega o peso da minha bunda igualmente interminável), o Caio e as crianças se divertindo com a minha lista secreta (que os três leram); o Caio fazendo o maior sucesso com as velhotas da paróquia, o Grê estressadíssimo - ai como esse menino é tenso- e a Sophia de olho num menino que apareceu de bandana e todo tatuado.... Mas foi tudo tranqüilo, e depois fomos felizes e leves feito quatro plumas impolutas, tomar sorvete.
Agora é esperar o Natal e olhar o mar da Domingas Dias!
Ai o Verão...


Obs: O nome do post é uma boa lembrança de uma leiteria (com esse nome) dos jardins onde todo mundo ía namorar e era um oásis de tão bacana...