Como comentar aqui:

Se você não tem conta no Google ou no Blogger, vá em "comentar como" e preencha seu nome, não precisa de URL (pode ficar em branco). Depois é só "postar comentário".
bjs

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Where do they all belong??







Hoje é aniversário do Paul (e do Rogélio).
Acho que Deus deixou hoje especialmente pros príncipes.

Fiz uma matéria maravilhosa pra uma revista feminina , com uma puuuta contextualização histórica que me custou um tubo extra de Colour Touch, e quando entreguei não era naaaada daquilo que elas queriam, queriam um arroz com feijãozinho de sempre, nada assim genial. Isso não me entristece nem nada, já passei dessa fase há uns vinte anos, mas me surpreende...
O frio me traz uma memória sensorial tão maravilhosa que é impossível ficar de mau humor com o barulhinho da minha lareira, que tem trabalhado até mais que eu.
Essas memórias sensoriais são tão interessantes... Quando eu tinha 18 anos, era secretária na Mendes Junior e fui chamada pra ficar uma temporada no Iraque. Fui pra Belo Horizonte, que é onde fica a sede, providenciar a papelada e fazer os exames médicos. Foi uma viagem bem chata, tinha brigado com o namorado, fui num ônibus vazio, sozinha e ainda perdi um brinco que eu adorava. Minha avó (perfeita e sensacional) me deu um perfume novo um dia antes, era uma água de colônia chamada Gelatti . Até hoje, quando sinto esse cheiro, tenho as sensações todas daquela viagem.
Quando a Sophia tinha dois anos, a Sinfônica de Berlin apresentou Carmina Burana no Parque do Ibirapuera e nós fomos ver. Tava uma tarde linda de sol, e ela ficava correndo pelo gramado, dançando feliz da vida com aquelas pernocas gordinhas; aí quando chegava numa parte específica da música da qual ela tem medo, ela voltava correndo e se jogava no meu colo. É uma cena que eu sempre lembro quando saio no sol, nunca vou esquecer.

Contando os dias pra ir pra Campos...
bjs

terça-feira, 17 de junho de 2008

Lesma na vanguarda da tecnologia



Terça, 17 de junho de 2008, 17h58 Atualizada às 18h48

Projeto artístico envia e-mails por chips em lesmas

Três lesmas tiveram chips eletrônicos implantados em seus corpos para que possam transportar e-mails escritos por pessoas que visitam um site.
O projeto de "arte lenta", intitulado Real Snail Mail, foi desenvolvido por alunos da Universidade de Bournemouth, na Grã-Bretanha, e será apresentado na conferência Siggraph, em Los Angeles, nos Estados Unidos, em agosto.
Na era cibernética, as lesmas Muriel, Austin e Cecil se tornaram "carteiros eletrônicos".
Ao invés de comunicação instantânea, as mensagens dos visitantes viajarão a uma velocidade média de 50 metros por hora, podendo levar dias, semanas ou até meses para chegar ao destinatário.
"Uma coisa que a tecnologia nos promete é velocidade, aceleração, sempre mais e em menos tempo", diz Paul Smith, um artista envolvido no projeto.
"Culturalmente, somos obcecados com o imediato", acrescenta. "Tempo não é para ser vivido, mas para ser preenchido até o ponto de explosão."
Cápsula
Os autores do projeto esperam que a iniciativa estimule as pessoas a diminuir o passo e contemplar a tecnologia e a obra.
Cada lesma foi equipada com uma cápsula minúscula que contém um chip de RFID, sigla em inglês para Identificação por Rádio Frequência. O chip permite que objetos se comuniquem a distâncias curtas.
Os usuários do serviço mandam suas mensagens pelo Real Snail Mail Website e elas são enviadas à velocidade da luz para um leitor eletrônico colocado dentro de um tanque.
Uma vez registrados pelo leitor de mensagens, os e-mails ficam aguardando um carteiro lesma.
À medida que se arrastam lentamente pelo tanque, as três lesmas ocasionalmente entram na faixa de alcance de um leitor eletrônico, que envia a mensagem ao chip RFID.
As mensagens são então fisicamente transportadas pelas lesmas em seus passeios pelo tanque até que uma delas passe perto de um segundo mecanismo leitor.
A partir daí, a mensagem é encaminhada pela rede seguindo a rota convencional.
"Pode ser muito frustrante para algumas pessoas", afirma a artista Vicky Isley, que também participa do projeto, à BBC. "(O trabalho) está revertendo completamente o sistema normal", acrescenta.
Lesma poderosa
Até agora, as três lesmas já conseguiram enviar 14 mensagens. E dez delas foram entregues por Austin, que faz uma média de uma entrega a cada 1,96 dia.
"Austin é uma lesma poderosa, está se saindo muito bem", disse Isley. "Ela é grande e é sempre a primeira a alcançar a comida."
A lesma Muriel, por outro lado, não conseguiu fazer nenhuma entrega.
O projeto vai ser uma das atrações da conferência de computação gráfica Siggraph em Los Angeles, entre 11 e 15 de agosto.


BBC BrasilBBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Merdas que eu adoooooro assitir.




Há dois canais que eu adoro, o VH1 e o E!. São a mais completa celebração do fun, da diversão leve e inconseqüente que me distrai e me diverte muito.
No VH1 ele têm aqueles programinhas de listas, eu adoro listas (deve ser coisa da geração dos anos 80 como sabe o Nick Hornby).
Já vi os motivos pra amar e odiar a década de 90, as celebridades mais azaradas, mais poderosas, mais deselegantes... muito divertido.
O melhor deles é um reality de um cantor de hip hop chamado Flavor Flav (ele era do Public Enemy) o cara é de chorar de feio. Magro, desdentado (tem os dentes de ouro) desengonçado e usa um relógio imenso pendurado no pescoço. O tal galã resolveu arrumar uma namorada e vinte loucas apareceram (uma especialmente pirada chamada Tiffany ou NewYork já tomou uma cusparada da cara e vai sair do programa com ele ou numa camisa de força).
Ele faz as meninas fritarem frango pra ele, fazerem chá pra mãe dele... um horror. Fora que metade já deu pra ele no programa. A gente ri pra não chorar do desespero da mulherada. É tão absurdo que nem sobra espaço pra refletir sobre nada ali, é só risada.

Meu outro canal predileto passa Chelsea Lately (que é uma comediante e escritora norte americana afiadérrima), E!True Hollywood Story e o melhor de todos: The Girls of the Playboy Mansion.
São as três “namoradas” do Heff. O cara tá velho e caquético e eu duvido muito que ele ainda coma alguém... mas é fortíssimo de patrocínio!
As três são a Holly (namorada oficial, dorme no quarto com ele) que faz a linha boa moça; a Bridget que é a animadinha louquinha, que tem mestrado em jornalismo (?) e a Kendra que é uma piranha de carteirinha que ninguém agüenta. As três vivem com as maiores preocupações do mundo, que roupa usar na festa, pra onde viajar e o que comprar. Mas é muito divertido, eu assisto sempre que posso (na foto: Kendra na esquerda, Holly no meio e Bridget na direita).

Não se vive só de Dostoievski!
bjs