Como comentar aqui:

Se você não tem conta no Google ou no Blogger, vá em "comentar como" e preencha seu nome, não precisa de URL (pode ficar em branco). Depois é só "postar comentário".
bjs

sábado, 12 de abril de 2008

Hummmmmmmmmm


Eu tô acostumada com as pautas mais escalafobéticas (vá lá que outro dia declinei de uma pra revista Universo Masculino que era sobre o que as mulheres pensam quando se masturbam – convenham que as entrevistas seriam difíceis, eu morreria de vergonha e passei o freela adiante).

Sempre fui capaz de escrever sobre qualquer merda em pouco tempo e conseguir alguma qualidade no texto encomendado. Faço mestrados e projetos de pesquisa científica para preguiçosos com dinheiro, e os assuntos são igualmente diversos e alguns bem chatos.

E não é que essa semana me pediram pra fazer uma apresentação sobre mim mesma com uma única (simples e singela) exigência: ser criativa??
Não pode haver neste mundo coisa mais cruel e impossível pra se pedir. Eu escrevo sobre os outros, mas vou escrever sobre mim??? E ainda vou ter de ser criativa?
Pu-ta que pa-riu (posso escrever que sei separar sílabas).
Quebrei a cabeça por horas e resolvi passar o abacaxi adiante (de novo). Escolhi dois rapazes por quem meu coração palpita (o Flávio e o Alex) pra me apresentarem da forma criativa de que forem capazes. O Gregório fez um desenho de mim onde eu apareço sensacional, cuspindo fogo.
Já pensei em fotografar as coisas que crio: filhos, amigos, plantas, animais e confusões (as últimas bastante difíceis de enquadrar)
Agora vou pegar depoimentos dos gatos e das cachorras.
Aposto como elas falarão muito bem de mim.


Hoje não vou sair.
Tem um grupo de covers dos Beatles vindo da Argentina, chamado The Beats. O Show deles é inacreditável. Essa semana eu entrei em contato com a produção pra ver se descolava uns ingressos pra sortear na minha comunidade do Orkut (que já passou dos 92.500 participantes). E não é que o produtor é membro da Beatles Brasil, me conhece, adora a comunidade e as novidades que eu invento por lá e me deu um monte de ingressos (quatro pra cada cidade) e mais quatro VIPérrimos pra eu ir com o Caio e as crianças??? Fiquei no maior bom humor.
Então hoje, as nove da noite, teremos sorteio na Beatles Brasil.
Por conta disso, estou em casa de castigo!!!


Bom sabadão, crianças!
Foto: Mil, meu gato antipático que está decidido a esmagar todas as plantinhas da floreira do meu quarto com seus nove quilos de banhas e pêlos.

quarta-feira, 9 de abril de 2008

A maior idiota do mundo.


Lembram da história dos pavõezinhos?
Pois hoje o post é sobre a tal empregada que, acreditem , ainda trabalha pra mim.
A mulher é insuportável.
Nunca conheci ninguém tão burra, nem tão intrometida; a mistura é enlouquecedora.

Ela veio trabalhar aqui indicada por uma ex- empregada que eu adoro (agora já acho que nem adoro mais tanto assim).
Enfim, ela não me rouba nem falta, mas o resto é pura adrenalina.
A infeliz chama Graciete, mas como não gosta do nome, pediu que nós a chamássemos de Graça.
Um belo dia, ligo pra casa por um motivo qualquer, ela atende e eu digo - Oi Graça, tudo bem por aí? E ela responde que não tem ninguém em casa com esse nome, antes de desligar na minha cara.

Se vc estiver no telefone falando qualquer coisa, ela para do lado e fica se metendo na conversa. Se algum amigo estiver aqui e estivermos falando, ela se mete.

Ela não cozinha e não lava roupa, nem eu deixaria.
Tem uma pressa do caralho, faz tudo correndo e quebra metade do que tem aqui.
Todos nós fugimos dela, que fala sozinha, fala com os gatos e persegue cada um pela casa pra ficar falando hooooras sobre as maiores loucuras.

O filho dela (sim, elas se reproduzem) tem quatorze anos e passou pra quinta série.
Ela vivia na minha orelha reclamando que não tinha conseguido vaga pra ele na escola (saiu mais cedo uns quatro dias por conta de fazer a matrícula dele, mas nunca conseguiu fazer).
Daí como o menino não tem culpa de ter uma mãe dessas, e como eu sou uma pessoa completamente desocupada, segunda feira saí da faculdade e fui pra diretoria regional de ensino (que fica escondida na puta que pariu da Ataliba Leonel).

Fiquei hooooras lá argumentando com as funcionárias e conseguimos uma vaga numa escola pertinho da casa dela. A primeira coisa que as mulheres me disseram é que o menino repete por falta, que ele simplesmente nunca vai pra escola e que tem umas tantas ocorrências da diretora da escola anterior reclamando das merdas que a Graça já andou dizendo por lá.

Conseguida a vaga, peguei a papelada, fui na tal escola, falei com a diretora e pedi pra ela matriucular o menino e ignorar as eventuais pérolas que a mãe soltasse.
Voltei pra casa, dei a papelada pra ela e avisei que a única coisa que ela teria que fazer seria passar na escola no dia seguinte pra assinar a matrícula. Ela nem agradeceu, olhou pra minha cara com olhar de enfado e disse que aquela escola era uma merda...

Subi pro quarto com uma dor de cabeça incomensurável.


Arrumei estojo, canetas lápis, borracha e um caderno pro menino.
Hoje de manhã quando ela apareceu, eu perguntei se tinha dado tudo certo e ela respondeu:
-Fui lá sim, mas hoje ele não foi que aquele caderno a senhora deu é muito pequeno só tem cinco matérias e ele precisa de dez. A senhora não conhece a quinta série?


Quem é a maior idiota do mundo?
Eu!


Em tempo: Esse mês ela vai embora, eu tinha pena de mandar andar que sei que ela precisa muito do dinheiro, mas até uma criatura lesada como eu tem lá seus limites.
Alguém aí tem o telefone da Solineuza?



segunda-feira, 7 de abril de 2008

Pessoas Nefastas.


Ontem o Alex me cobrou um texto sobre a Isabella.
Minha opinião é a seguinte:
Pra mim, foi o pai. Tem muita gente louca nesse mundo e a gente transita como se não houvesse. Ao mesmo tempo, as pessoas ditas normais, se descontrolam, têm seus dias de trevas e fazem merda. Só que nada foi apurado e ninguém sabe o que aconteceu de verdade.
Alguém consegue imaginar a dor de se perder um filho? Pois somem essa dor, à acusação e à temporada na cadeia. E se esse cara for inocente? E daí, como é que fica?
O fato do delegado, da imprensa e desta que vos escreve acharem que tudo indica que tenha sido ele, não quer dizer porra nenhuma, a não ser que sejamos um banco de palpiteiros apressados. Os laudos não saíram, a história ta mal contada, niguém ta ouvindo o outro lado, é uma cruzada anti Richtoffen.
É preciso ir com calma, as pedras devem permanecer nos bolsos até que se provem uma coisa, ou outra.
O interessante foi ver milhares de blogs e textos que me enviaram, os mais diferentes autores, todos referindo um distanciamento equivocado dessa tagédia.
Barbáries têm tamanho, e começam com pequenas atitudes, que vão desde a peruazinha sem cash na bolsa, que dá pinta mas não tem estofo, e que arruma briga com a amiga e envolve um monte de gente na baixaria, que arruma briga em todo o lugar, e o papai acha uma graça ela ser assim decidida.
Passam pelo garotão que bebe e sai dirigindo, ou que tem a mais absoluta certeza de duas coisas nessa vida: uma é que baseado, álcool e tabaco de narguilé são uma combinação inócua; e a outra é que todas as meninas do mundo deveriam agradecer por ele se dispor a comê-las, e as trata como sempre tratou a própria mãe, com desrespeito e abuso.
Daí vai quem desrespeita os outros, quem comete delitos “menores” quem dirige sem carta, quem mente, quem engana... e quem crucifica antes de ter embasamento suficiente pra tanto.
Se cada um regulasse a própria vida, agisse com cautela e fosse minimamente capaz de atitudes moralmente corretas, seria tudo muuuuito diferente.
O inferno não são os outros.
O inferno é aqui.