Como comentar aqui:

Se você não tem conta no Google ou no Blogger, vá em "comentar como" e preencha seu nome, não precisa de URL (pode ficar em branco). Depois é só "postar comentário".
bjs

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

A cagada brasileira



Então a história da brasileira grávida atacada por skinheads na Suíça, de verdade, só tinha a nacionalidade da infeliz.
Não vou me aprofundar no papel que a imprensa brasileira fez, bradando o absurdo e levantando bandeiras antes de checar o que realmente teria acontecido. Há uma semana, num exercício de webjornalismo, procuramos a repercussão da notícia na europa e não encontramos nada.
Por que o assunto era menor? Por que um brasileiro não vale a notícia?
Não, por que eles são mais cuidadosos que nós; e estavam checando e investigando.
Lá o buraco é muito mais embaixo.
Voltando à infeliz...
Infeliz e sem caráter, afinal louco que é louco, rasga dinheiro e ela -pelo visto- estava de olho na indenização que o governo suíço paga nesses casos , que varia de 50 a 100 mil francos suíços ( ele está numa cotação parelha ao dólar, o que dobra o montante em reais).
Pode aparecer a história mais triste de trauma, ou a desculpa capenga de que ela tem lúpus (imagine se todo mundo que tem lúpus tivesse esse tipo de atitude...) que eu não vou me convencer.
Será o benedito que inventam tanta coisa nesse mundo, menos um caratômetro?? Ele mediria o caráter e seus desvios. Isso facilitaria os trâmites do mundo em geral.
Não presta? Não emprega e pronto.
Mente? Não casa e pronto.
E assim por diante.
Mas no mundo real ainda não temos caratômetro. Temos que nos virar com nossa intuição enquanto morremos de vergonha do papelão que essa coitada fez na frente do mundo inteiro.

bjs