Como comentar aqui:

Se você não tem conta no Google ou no Blogger, vá em "comentar como" e preencha seu nome, não precisa de URL (pode ficar em branco). Depois é só "postar comentário".
bjs

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Ai o aborto...

.

Me pediram pra escrever sobre esse assunto; e eu bem que vim aqui pra isso mas é tão difícil.
Esse argumento de que a mulher pode abortar por ser dona do próprio corpo é uma idiotice, já que o bebê tem corpo próprio e ela está lidando com a vida de OUTRA pessoa.
Mas a mulher tem o direito de não querer ser mãe, aí é diferente.
Ou por que a hora não é certa, ou seja lá por qual motivo. A vida e as pessoas têm tantos motivos, quem somos nós pra ficar julgando e listando?
Eu acho mais fácil ter e se encontar na família (que chia de cara, mas acaba se apaixonando pelo bebê, que é oq acontece em 99,9% dos casos, e acaba dando uma mão com a história toda).
Tirar é que são elas, arcar com a culpa, com a decisão, e ir parar sozinha, ou com uma amiga numa clínica daquelas de gelar a espinha e correr o risco de milhões de intercorrências médicas...
Tudo que eu consigo pensar sobre o assunto é que a gente tem que lotar a orelha dessa meninada pra elas se prevenirem e nunca terem de passar por isso.
Não sei oq eu faria se acontecesse com a Sophia, não sei mesmo.
Não sei o que acharia melhor ou pior, mas na verdade me caberia apoiar a decisão DELA e olhe lá.
Difícil isso, viu?


Obs: Nem consideeio a questão da gravidez fruto de um estupro ou de um bebê anencéfalo, que aí nem tem o que discutir.